jusbrasil.com.br
20 de Julho de 2018
    Adicione tópicos

    Seminário analisa cotidiano de Bento Gonçalves e Júlio de Castilhos

    Teve início, na tarde de hoje (21/10) o seminário Desvendando o Rio Grande: Bento e Castilhos - um Diálogo Possível? O evento, fruto de uma parceria entre os memoriais do Judiciário e do Ministério Público e o Governo do Estado, ocorre no auditório do Palácio da Justiça.

    Na abertura, o 2º Vice-Presidente do Tribunal de Justiça, Desembargador Voltaire de Lima Moraes, ressaltou a satisfação da Presidência em estar promovendo o evento e a qualificação da parceria firmada, a qual chamou de triunvirato institucional. Ele afirmou que o Judiciário não está voltado apenas para a técnica jurisdicional, mas também à história do Estado. Vamos transmitir às atuais gerações o conhecimento da história da nossa gente, destacou.

    De acordo com o Desembargador aposentado e Coordenador do Memorial do Judiciário, José Carlos Teixeira Giorgis, o objetivo de realizar eventos como o seminário é valorizar e dar uma visão crítica de personagens que fizeram parte da história. Fizemos com a intenção de despertar, de elucidar e de criar uma ponte entre Júlio de Castilhos e Bento Gonçalves, completou o magistrado.

    Representando o Ministério Público, a Supervisora do Memorial do MP, Promotora de Justiça Mauren Jardim Gomes, contou que a ideia de promover o seminário surgira a partir do sucesso obtido com o projeto Caminhos da Matriz, que realiza a visitação a prédios públicos e históricos. Nossa cultura é muito rica, por mais que nos debrucemos sobre os livros, sempre existe algo para contar, afirmou.

    O Secretário Estadual da Cultura, Cézar Prestes, disse sentir-se privilegiado por estar participando da iniciativa, a qual é importante para contar a história do Estado e incentivar a população a preservá-la.

    A abertura foi seguida pelo primeiro painel do seminário, que debateu as Constituições Castilhistas e Farroupilhas, com a participação do ex-Ministro da Justiça Paulo Brossard de Souza Pinto e do Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, Miguel Frederico do Espírito Santo. No final da tarde, haverá o lançamento da edição nº 14 da revista Justiça & História e apresentação musical.

    Esteve presente também a Desembargadora Maria Guilhermina Miranda, integrante da Comissão do Memorial da Justiça do Trabalho, e o Diretor da Casa de Cultura Mário Quintana, Luiz Armando Capra Filho.

    O seminário continua amanhã (22/10), a partir das 9h.

    Confira abaixo a programação:

    9h

    Visões do Quotidiano, painel mediado pelo historiador Álvaro Bischof, com os professores Maturino Luz e Eugênio Lageman

    10h30min

    Debate

    10h45min

    Visões do Cotidiano: Finanças e Relações, painel mediado pelo diretor do Museu Julio de Castilhos, Luiz Armando Capra Filho, com a participação dos professores Moacir Flores, Luiza Iotti e Gunter Axt

    12h15min

    Debate

    13h45min

    Visões do Cotidiano: Imprensa, Educação e Medicina, com mediação da Promotora de Justiça Mauren Jardim Gomes e presença de Miriam de Souza Rossini, Beatriz Weber e Luiz Alberto Grijó

    15h15min

    Debate

    15h30min

    Visões do Cotidiano: Minorias e Representação, mediado por Luciano Aronne Abreu, com as professoras Hilda Flores e Loiva Otero Félix

    17h

    Debate

    17h30min

    Encerramento, com distribuição de certificados

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)