jusbrasil.com.br
2 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - "Apelação Cível": AC 70082427188 RS

Detalhes da Jurisprudência

Processo

AC 70082427188 RS

Órgão Julgador

Décima Segunda Câmara Cível

Publicação

02/10/2019

Julgamento

26 de Setembro de 2019

Relator

Umberto Guaspari Sudbrack

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-RS_AC_70082427188_5ae3d.doc
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL EM ACIDENTE DE TRÂNSITO. COLISÃO ENTRE DOIS VEÍCULOS. MANOBRA DE RETORNO. CULPA CONCORRENTE. DANOS MATERIAIS. LUCROS CESSANTES. DANOS MORAIS.

Responsabilidade Civil: age com culpa aquele que, em inobservância ao previsto no artigo 34 do CTB, ao realizar manobra de retorno, intercepta a trajetória de veículo com preferência de passagem. No entanto, constata-se a culpa concorrente do condutor requerido, em menor proporção, tendo em vista que as evidências coligidas aos autos demonstram que esse não detinha o controle do veículo na velocidade que empregava, infringindo, dessa forma, o art. 28 do CTB. Caso concreto em que a dinâmica do acidente de trânsito, as fotos acostadas aos autos e a declaração de testemunha presencial à Polícia Civil, evidenciam a culpa concorrente do réu condutor.Danos emergentes: à parte causadora do sinistro incumbe reembolsar a vítima pelas despesas por ela havidas com as despesas médicas e demais prejuízos materiais devidamente comprovados.Lucros cessantes: comprovado o afastamento da condutora demandante de suas atividades laborais, mostra-se possível a condenação da parte adversa ao pagamento de indenização equivalente à diferença entre os valores auferidos mensalmente pela autora e o que passara a receber durante o período em que restou afastada. Verba reparatória a ser apurada em sede de liquidação de sentença.Despesas futuras com tratamento médico: comprovado, nos autos, que a parte autora restou com sequelas funcionais, mostra-se possível condenar os requeridos ao reembolso de despesas futuras, inclusive decorrentes da necessidade de tratamento médico e cirúrgico, objetivando a sua plena recuperação.Danos morais: a existência de lesões corporais de considerável extensão e a interrupção da gravidez da parte autora, na vigésima quinta semana de gestação, decorrentes de acidente de trânsito, caracteriza abalo moral ?in re ipsa?. Outrossim, o autor, companheiro da condutora demandante e pai do nascituro, também faz jus à indenização por danos morais, visto que o abalo moral, neste caso, é presumível.Pensionamento: tendo em vista que a parte autora não se desincumbiu do ônus da prova, imposto pelo art. 373, inciso I, do NCPC, na medida em que o laudo pericial final apresentado não roborou as alegações vertidas na petição inicial, impõe-se a improcedência do pleito de pensionamento exarado pela demandante.Ônus sucumbenciais: diante do resultado da demanda, os ônus sucumbenciais devem ser redistribuídos.Recurso de apelação parcialmente provido.(Apelação Cível, Nº 70082427188, Décima Segunda Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Umberto Guaspari Sudbrack, Julgado em: 26-09-2019)
Disponível em: https://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/772935379/apelacao-civel-ac-70082427188-rs

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - APELAÇÃO: APL 001XXXX-34.2016.8.19.0023

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 000XXXX-20.2015.8.26.0075 SP 000XXXX-20.2015.8.26.0075

Petição - Ação Indenização por Dano Material

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 5 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível: AC 038XXXX-83.2016.8.21.7000 RS

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 5 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível: AC 007XXXX-71.2014.8.21.7000 RS