jusbrasil.com.br
26 de Maio de 2020
2º Grau

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70080332935 RS - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO

---------- RS ----------

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA






PRLF

Nº 70080332935 (Nº CNJ: 0005202-84.2019.8.21.7000)

2019/Cível

          APELAÇÕES CÍVEIS. RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. SERVIÇO DE ENERGIA ELÉTRICA. SUSPENSÃO.

          APLICAÇÃO DO CDC. TEORIA FINALISTA APROFUNDADA. VULNERABILIDADE DO AUTOR. A expressão destinatário final, de que trata o art. , caput, do Código de Defesa do Consumidor, abrange quem adquire produtos e serviços para fins não econômicos, e também aqueles que, destinando-os a fins econômicos, enfrentam o mercado de consumo em condições de vulnerabilidade. A vulnerabilidade referida no CDC abrange aspectos econômicos, sociais e técnicos. Aplicação da teoria finalista aprofundada. Lições doutrinárias e precedentes do Col. STJ. Hipótese em que a autora, agricultora, embora utilize indiretamente o serviço de energia elétrica para a realização de sua atividade lucrativa, não figurando como destinatário final, é evidentemente vulnerável frente à requerida, sendo caso de aplicação do CDC à espécie.

                  FALHA NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO. NÃO CONFIGURAÇÃO DE FORÇA MAIOR. É cediço que, sendo a empresa demandada concessionária de serviço público, responde objetivamente pelos danos a que houver dado causa, bastando à vítima a comprovação do evento lesivo e do nexo etiológico entre este e a conduta do agente, nos termos do art. 37, § 6º da CF e 14 do CDC. Hipótese em que restou comprovada nos autos a falha do serviço, consistente na suspensão do fornecimento de energia elétrica, por longo período, acarretando prejuízos ao autor. Inexistência de demonstração, pela ré, da excepcional gravidade do evento climático, a ponto de impedir a normalização dos serviços no prazo previsto pela ANEEL. Impositivo, assim, o reconhecimento do dever de indenizar da ré.

                  DANO MORAL. CONFIGURAÇÃO. Evidenciada a falha na prestação dos serviços da ré, privando a parte autora do uso de energia elétrica por cerca de 91 horas e 30 minutos, caracterizado está o dano moral puro e, por conseguinte, o dever de indenizar, diante dos presumíveis infortúnios que decorrem da falta de energia elétrica, dispensando comprovação específica. Condenação mantida.

                  QUANTUM INDENIZATÓRIO. MANUTENÇÃO. Em atenção aos parâmetros estabelecidos pela doutrina e jurisprudência pátrias para a fixação do montante indenizatório, atento às particularidades do caso concreto, o quantum de R$ 3.000,00 (três mil reais), acrescido de correção monetária e juros moratórios legais, se mostra razoável e proporcional.

                  JUROS DE MORA. TERMO INICIAL. Em se tratando de responsabilidade civil contratual, os juros de mora são devidos a contar da citação, nos termos do art. 405 do Código Civil. Sentença reformada no ponto.

                  DISTRIBUIÇÃO DA SUCUMBÊNCIA. O deferimento de indenização em quantia inferior ao postulado na exordial, a título de danos morais, não induz à sucumbência recíproca. Inteligência da Súmula 326 do Superior Tribunal de Justiça. Precedentes jurisprudenciais.

                  HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. MAJORAÇÃO. É cediço que, no arbitramento da verba honorária, deve o juiz considerar o grau de zelo do profissional, o lugar da prestação do serviço, a natureza e a importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço, nos termos do art. 85, § 2º do CPC. Verba honorária majorada para 20% sobre o valor da condenação, considerando as peculiaridades do caso concreto.

                  APELAÇÕES PARCIALMENTE PROVIDAS.

                  Apelação Cível Décima Câmara Cível
                  Nº 70080332935 (Nº CNJ: 0005202-84.2019.8.21.7000) Comarca de Erechim
                  RIO GRANDE ENERGIA S A APELANTE
                  ALCERI NORBACK APELANTE/APELADO

                  ACÓRDÃO


                  Vistos, relatados e discutidos os autos.

                  Acordam os Desembargadores integrantes da Décima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, em DAR PARCIAL PROVIMENTO ÀS APELAÇÕES.

                  Custas na forma da lei.

                  Participaram do julgamento, além do signatário, os eminentes Senhores Des. Jorge Alberto Schreiner Pestana (Presidente) e Des. Marcelo Cezar Müller.

                  Porto Alegre, 28 de março de 2019.

                  DES. PAULO ROBERTO LESSA FRANZ,

                  Relator.

                  RELATÓRIO

                  Des. Paulo Roberto Lessa Franz (RELATOR)

                  Adoto o relatório de fl. 66, aditando-o como segue.

                  Proferindo sentença, o magistrado singular julgou a demanda nos seguintes termos, in verbis:

                          ANTE O EXPOSTO, julgo PROCEDENTES os pedidos para condenar a RGE – Rio Grande Energia S/A a pagar aos autores a título de danos morais, o valor de R$ 3.000,00, corrigidos monetariamente (IGP-M) a contar da data da prolação dessa sentença (Súmula nº 362 do STJ), e acrescidos de juros de mora de 12% ao ano, contados de 03/01/2017 (Súmula nº 54 do STJ).

                          Condeno a parte ré ao pagamento das custas processuais e dos honorários de advogado ao patrono dos autores, que vão fixados em 10% do valor atualizado da condenação (arts. 85, § 2º, do NCPC).

                          Inconformadas, as partes apelaram.

                          A ré, nas suas razões (fls. 71/81), discorreu acerca da inaplicabilidade da legislação consumerista ao caso em análise. Disse que não houve uma única interrupção de quatro dias no fornecimento de energia elétrica, mas sim dois intervalos, que somados chegaram a aproximadamente 34 horas. Destacou, nesse passo, que a interrupção não ultrapassou os limites estabelecidos pela Resolução 414/10 da ANEEL. Asseverou que as telas sistêmicas colacionadas aos autos são documentos certificados e autênticos. Disse que os prejuízos suportados pelos autores se deu por caso fortuito, o que afastaria a sua responsabilidade. Aduziu, ainda, que eventual dano moral, na espécie, não se dá in re ipsa, bem como que a parte autora não comprovou os alegados prejuízos extrapatrimoniais sofridos. Teceu considerações acerca da quantificação do dano moral. Postulou, ao final, o provimento do apelo, a fim de que seja afastada a sua responsabilidade. Alternativamente, pugnou pela redução do quantum indenizatório e pela alteração do marco inicial dos juros de mora para a data do arbitramento da indenização ou, subsidiariamente, da citação. Requereu, por fim, a redistribuição dos ônus sucumbenciais, observando-se o decaimento de cada parte.

                          A parte autora, por sua vez, em razões recursais (fls. 85/91), pugnou pela majoração do quantum indenizatório arbitrado a título de danos morais para valor não inferior a R$ 10.000,00. Colacionou julgados em abono à sua pretensão. Requereu, ainda, a majoração dos honorários advocatícios para 20% do valor da condenação. Postulou, ao final, o provimento do apelo.

                          Apresentadas contrarrazões às fls. 95/104 e 108/113, subiram os autos a esta Corte, vindo conclusos para julgamento.

                          Registro terem sido cumpridas as formalidades dos artigos 931, 934 e 935 do Novo Código de Processo Civil, considerando a adoção do sistema informatizado.

                          É o relatório.

                          VOTOS

                          Des. Paulo Roberto Lessa Franz (RELATOR)

                          Eminentes colegas.

                          DA APLICAÇÃO DO CDC À ESPÉCIE.

                          Inicialmente, destaco ser plenamente aplicável, na espécie, o Código de Defesa do Consumidor.

                          Em que pese os autores sejam agricultores e utilizem a energia elétrica como parte de seu processo de produção, isso não afasta, por si só, a aplicação do Código de Defesa do Consumidor.

                          Para definição do conceito de consumidor, a doutrina e jurisprudência têm utilizado, preponderantemente, a chamada teoria finalista aprofundada, que verifica a possibilidade de aplicação do Código de Defesa do Consumidor de forma mais subjetiva, a partir da análise do caso concreto, ainda que o consumidor utilize o produto ou serviço para o exercício de atividade empresarial.

                          Nesse sentido, a lição de Cláudia Lima Marques1:

                            [...] O CDC, em matéria contratual, representa a evolução do pensamento jurídico para uma teoria contratual que entende o contrato em termos de sua função social. [...] No caso de relações de consumo em geral (dever geral de segurança), o desequilíbrio entre consumidores leigos e fornecedores experts está no déficit informativo dos consumidores sobre o produto, o serviço, seis riscos e características.

                            [...] No caso dos contratos, o problema é o desequilíbrio flagrante de forças dos contratantes. Uma das partes é vulnerável (art. 4º. I, é o pólo mais fraco da relação, pois não pode discutir o conteúdo do contrato ou a informação recebida [...] Esse desequilíbrio fático de forças nas relações de consumo é a justificação para um tratamento desequilibrado e desigual dos contratantes, protegendo o direito daquele que está na posição mais fraca, o vulnerável, que é desigual fática e juridicamente(Grifei).

                      A figura da vulnerabilidade, para fins de aplicação das normas protetivas do Código de Defesa do Consumidor, tanto pode ser a econômica, a jurídica, a social, a técnica e outras mais.

                      No caso, evidente a vulnerabilidade técnica e econômica do autor, agricultor, frente à ré, pois não detém conhecimentos sobre o serviço de energia elétrica, o qual é utilizado apenas indiretamente na atividade exercida, e não propriamente como um insumo.

                      Nesse mesmo sentido, o seguinte julgado do Superior Tribunal de Justiça:

                        AGRAVO INTERNO NO AGRAVO (ART. 544 DO CPC/73)- AÇÃO DE RESCISÃO CONTRATUAL - DECISÃO MONOCRÁTICA QUE NEGOU PROVIMENTO AO RECLAMO. INSURGÊNCIA DO REQUERIDO.

                        [...]

                        2. Esta Corte firmou posicionamento no sentido de que a teoria finalista deve ser mitigada nos casos em que a pessoa física ou jurídica, embora não se enquadre nas categorias de fornecedor ou destinatário final do produto, apresenta-se em estado de vulnerabilidade ou hipossuficiência técnica, autorizando a aplicação das normas prevista no CDC. Precedentes

                        [...]

                        4. Agravo interno desprovido.

                        (AgInt no AREsp 93.042/PR, Rel. Ministro MARCO BUZZI, QUARTA TURMA, julgado em 17/08/2017, DJe 28/08/2017) (Grifei).

                        Nesse contexto, verificada a vulnerabilidade técnica e econômica do autor frente à requerida, possível a aplicação do Código de Defesa do Consumidor à espécie.

                        DO DEVER DE INDENIZAR.

                        Trata-se de ação de indenização por danos morais decorrentes da suspensão dos serviços de energia elétrica.

                        Como é sabido, o consumidor de energia elétrica tem o direito de receber serviços adequados, eficientes, seguros e contínuos, (art. 22 do CDC), respondendo a concessionária de serviço público, independentemente de culpa, diante do que dispõe o art. 14, da referida lei consumerista, pelos danos decorrentes dos defeitos relativos à prestação de serviços, sempre que não configuradas as excludentes elencadas no § 3º, I, II do referido artigo.

                        A concessionária somente se livrará da responsabilidade se comprovar que, prestados os serviços, o defeito não existe, ou na hipótese de ser presente a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro. É o que dispõe o artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor, verbis:

                                Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.

                                (...)

                                § 3º O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:

                                I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;

                                II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

                                Na hipótese dos autos, verifica-se que houve falta de energia elétrica na região da residência do autor (Município de Itatiba do Sul) entre os dias 03/01/2017 a 06/01/2017, tendo a requerida demorado aproximadamente 91 horas e 30 minutos para restabelecer o serviço.

                                Certo é que a suspensão do serviço por lapso de tempo tão extenso configura descontinuidade do serviço essencial, evidenciando a falha na prestação dos serviços da ré.

                                Em que pese as alegações recursais, não traz a requerida qualquer prova de que a interrupção teria ocorrido por menor período, ônus que lhe incumbia, nos termos do artigo 373, II, do CPC, não se prestando para tal as telas sistêmicas acostadas aos autos, produzidas unilateralmente.

                                No que diz respeito à alegação de caso fortuito/força maior, também não logrou a requerida comprovar a incidência da excludente de responsabilidade, como lhe incumbia, por ocasião do disposto no art. 14, § 3º do CDC e no já mencionado art. 373, II, do CPC.

                                Ainda que não estejam elencadas no rol da legislação consumerista, “as eximentes do caso fortuito e da força maior atuam como excludentes de responsabilidade do prestador de serviços”2.

                                Acerca do tema leciona Daniel Francisco Mitidiero em artigo de doutrina:

                                        Força maior são aqueles acontecimentos, necessários e inevitáveis, que possuem origem nas forças naturais. Pois, trata-se de um fato natural, que ingressa no mundo jurídico como fato jurídico em senso estrito, elidindo a responsabilidade do devedor (um raio que provoca incêndio, terremoto). Pois, é evento extintivo de dada situação jurídica. (Mitidiero, Daniel Francisco. Resolução Contratual: Delineamentos e Efeitos. Publicada na Revista Síntese de Direito Civil e Processual Civil nº 08 - NOV-DEZ/2000, pág. 35)

                                Ainda, válida as lições de Sérgio Cavalieri Filho:

                                        “Muito já se discutiu sobre a diferença entre o caso fortuito e a força maior, mas até hoje não se chegou a um entendimento uniforme. O que é indiscutível é que tanto um como o outro estão fora dos limites da culpa. Fala-se em caso fortuito ou de força maior quando se trata de acontecimento que escapa a toda diligência, inteiramente estranho à vontade do devedor da obrigação.

                                        O Código Civil, no parágrafo único do citado art. 393, praticamente os considera sinônimos, na medida em que caracteriza o caso fortuito ou de força maior como sendo o fato necessário, cujos efeitos não era possível evitar, ou impedir. Entendemos, todavia, que diferença existe, e é a seguinte: estaremos em face do caso fortuito quando se tratar de evento imprevisível e, por isso, inevitável; se o evento for inevitável, ainda que previsível, por se tratar de fato superior às forças do gente, como normalmente são os fatos da Natureza, como as tempestades, enchentes etc.; estaremos em face da força maior, como o próprio nome o diz. É o act of God, no dizer dos ingleses, em relação ao qual o agente nada pode fazer para evitá-lo, ainda que previsível.

                                        A imprevisibilidade, portanto, é o elemento indispensável para a caracterização do caso fortuito, enquanto a inevitabilidade o é da força maior. Entende-se por imprevisibilidade, conforme já assinalado (item 8.8), a imprevisibilidade específica, relativa a um fato concreto, e não a genérica ou abstrata de que poderão ocorrer assaltos, acidentes, atropelamentos etc., porque se assim não for tudo passará a ser previsível. A inevitabilidade, por sua vez, deve ser considerada dentro de certa relatividade, tendo-se o acontecimento como inevitável em função do que seria razoável exigir-se. Assim, por exemplo, tratando-se de roubo de cofres mantidos por um banco, é de presumir-se sejam tomadas especiais providências visando à segurança, pois a garanti-la se destinam seus serviços. O mesmo não sucede se o assalto foi praticado em um simples estacionamento (RSTJ 132/313, Min. Eduardo Ribeiro). É preciso, destarte, apreciar caso por caso as condições em que o evento ocorreu, verificando se nessas condições o fato era imprevisível ou inevitável em função do que seria razoável exigir-se3”.

                                        O caso fortuito e a força maior excluem o nexo de casual por constituírem também causa estranha à conduta do aparente agente, ensejadora direta do evento.”

                                        Apenas em casos de excepcional gravidade, quando a chuva ou temporal atinjam proporções efetivamente fora do comum, é que poderá vir a ser reconhecida a excludente do caso fortuito ou força maior.

                                        Com efeito, a demandada não trouxe aos autos comprovação de temporal ou ventania devastadora na região em que fica residência do demandante no dia em que foi interrompido o fornecimento de energia elétrica.

                                        Assim, para que fosse possível a caracterização da excludente de responsabilidade era necessário que o temporal fosse de grandes proporções, além da normalidade, e que tivesse ocorrido na época em que foi interrompido o fornecimento de energia e na localidade de residência da parte autora, o que não ocorreu no caso em análise.

                                        Outrossim, a mera alegação de que o serviço foi restabelecido dentro do prazo previsto na Resolução 414/2010 da ANEEL não afasta, por si só, a responsabilidade da requerida no caso em apreço.

                                        Isso porque, uma norma administrativa não pode derruir a responsabilidade da concessionária de serviço público de prestar um serviço eficiente aos seus clientes, servindo apenas como norma que padroniza as atividades do setor.

                                        E mais, os prazos previstos no artigo 176 dizem respeito ao restabelecimento do fornecimento de energia elétrica em situações em que a suspensão foi legítima, exemplificativamente tem-se a hipótese de inadimplemento pelo usuário do serviço.

                                        Tanto é assim que a contagem do prazo para a religação, a depender do caso concreto, deve iniciar “a) a partir da comunicação de pagamento pelo consumidor, obrigando-se o consumidor a comprovar a quitação dos débitos no momento da religação; b) a partir da baixa do débito no sistema da distribuidora, ou, ainda, c) a partir da solicitação, obrigando-se o consumidor a comprovar a quitação dos débitos no momento da religação” (incisos e alineas do artigo 176, § 2º da referida Resolução).

                                        Nesse contexto, ausente demonstração de qualquer causa excludente do liame causal entre tais prejuízos e o defeito na prestação do serviço público essencial de fornecimento de energia elétrica, resta evidente o dever de indenizar da fornecedora.

                                        DANO MORAL. CONFIGURAÇÃO.

                                        No que diz respeito ao dano moral, configura-se in re ipsa, prescindindo de prova quanto à ocorrência do prejuízo concreto, pois são presumíveis os infortúnios decorrentes da falta de energia elétrica em uma residência, pelo período de aproximadamente 91 horas e 30 minutos, conforme as mais elementares regras de experiência comum.

                                        No ensinamento de Sérgio Cavalieri Filho tem-se, igualmente, a compreensão da desnecessidade de prova, quando se trata de dano moral puro (in Programa de Responsabilidade Civil, 5ª ed., 2ª tiragem, 2004, p. 100):

                                        [...] por se tratar de algo imaterial ou ideal a prova do dano moral não pode ser feita através dos mesmos meios utilizados para a comprovação do dano material. Seria uma demasia, algo até impossível exigir que a vitima comprove a dor, a tristeza ou a humilhação através de depoimentos, documentos ou perícia; não teria ela como demonstrar o descrédito, o repúdio ou o desprestígio através dos meios probatórios tradicionais, o que acabaria por ensejar o retorno à fase da irreparabilidade do dano moral em razão de fatores instrumentais.

                                        Nesse ponto a razão se coloca ao lado daqueles que entendem que o dano moral está ínsito na própria ofensa, decorre da gravidade do ilícito em si. (...) Em outras palavras, o dano moral existe in re ipsa; deriva inexoravelmente do próprio fato ofensivo, de tal modo que, provada a ofensa, ipso facto está demonstrado o dano moral à guisa de uma presunção natural, uma presunção hominis ou facti que decorre das regras de experiência comum”.

                                        Destarte, impositiva a manutenção da sentença, no ponto em que reconheceu o cabimento da indenização por dano moral postulada pelo demandante.

                                        QUANTUM INDENIZATÓRIO. MANUTENÇÃO.

                                        No tocante ao valor da condenação, é sabido que, na quantificação da indenização por dano moral, deve o julgador, valendo-se de seu bom senso prático e adstrito ao caso concreto, arbitrar, pautado nos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, um valor justo ao ressarcimento do dano extrapatrimonial.

                                        Neste propósito, impõe-se que o magistrado atente às condições do ofensor, do ofendido e do bem jurídico lesado, assim como à intensidade e duração do sofrimento, e à reprovação da conduta do agressor, não se olvidando, contudo, que o ressarcimento da lesão ao patrimônio moral deve ser suficiente para recompor os prejuízos suportados, sem importar em enriquecimento sem causa da vítima.

                                        A dúplice natureza da indenização por danos morais vem ressaltada na percuciente lição de Caio Mário, citado por Sérgio Cavalieri Filho, em sua obra Programa de Responsabilidade Civil:

                                                “Como tenho sustentado em minhas Instituições de Direito Civil (v. II, n.176), na reparação por dano moral estão conjugados dois motivos, ou duas concausas: I - punição ao infrator por haver ofendido um bem jurídico da vítima, posto que imaterial; II – pôr nas mãos do ofendido uma soma que não é o pretium doloris, porém o meio de lhe oferecer oportunidade de conseguir uma satisfação de qualquer espécie, seja de ordem intelectual ou moral, seja mesmo de cunho material, o que pode ser obtido ‘no fato’ de saber que esta soma em dinheiro pode amenizar a amargura da ofensa e de qualquer maneira o desejo da vingança” (in: Programa de Responsabilidade Civil. 5ª ed. São Paulo: Malheiros, 2004, p.108/109, grifei).

                                                Ao concreto, demonstrada a abusividade do ato praticado pela demandada, devem ser levadas em consideração as condições econômicas e sociais do ofendido, agricultor que litiga ao abrigo da gratuidade judiciária (fl. 24), e da agressora, concessionária de serviço público, a gravidade potencial da falta cometida, considerando, principalmente, o fato de ter privado a parte autora de serviço essencial por cerca de 91 horas e 30 minutos, o caráter coercitivo e pedagógico da indenização; bem como os princípios da proporcionalidade e razoabilidade, impõe-se a manutenção do montante indenizatório fixado na sentença em R$ 3.000,00 (três mil reais), quantum que se revela condizente com as peculiaridades do caso concreto e com valores arbitrados por este Órgão Fracionário em casos análogos.

                                                JUROS DE MORA. TERMO INICIAL.

                                                Insurge-se a ré, ainda, quanto ao termo inicial dos juros de mora incidentes sobre a condenação.

                                                Com efeito, a fornecedora foi condenada ao pagamento de indenização, a título de danos morais, valor este a ser corrigido pelo IGP-M a contar da data da sentença, e acrescido de juros de mora de 12% ao ano a contar do evento danoso (03/01/2017).

                                                Em suas razões, alega a demandada que os juros de mora devem incidir sobre a condenação a partir do arbitramento da indenização ou, subsidiariamente, a partir da citação.

                                                Em se tratando de dano decorrente do contrato de prestação de serviços de energia elétrica havido entre as partes, os juros incidem a partir da citação, nos termos do art. 405 do Diploma Civil, sendo inaplicável a súmula 54 do STJ, que se limita às hipóteses de responsabilidade civil extracontratual.

                                                Nesse fanal, os seguintes julgados desta Corte:

                                                        APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL. INTERRUPÇÃO NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. DANO MORAL. Mérito. A responsabilidade do fornecedor de energia elétrica é objetiva, ante as disposições constitucionais e legais aplicáveis. Não tendo sido demonstrado o alegado temporal, não se caracteriza hipótese excludente de responsabilidade, por força maior. Dano moral. Restou demonstrada a demora no restabelecimento do fornecimento de energia elétrica, tendo sido superado o prazo definido pela agência reguladora competente. A privação indevida do fornecimento de energia elétrica caracteriza dano moral em favor do usuário, especialmente em virtude da essencialidade do serviço, consideradas as circunstâncias do caso concreto. Valor da indenização. A condenação em dano moral deve ser balizada considerando as peculiaridades do ofendido e da ofensora. Também deve ser levado em conta o período da suspensão injustificada do fornecimento da energia elétrica. Caso concreto em que a indisponibilidade no fornecimento deu-se por lapso expressivo. Condenação em dano moral no montante de R$ 2.000,00 que deve ser majorada para R$ 5.000,00. Os juros de mora de 1% ao mês devem contar desde a citação. Sucumbência. A sucumbência deve ser redefinida, cabendo 70% à ré e os restantes 30% ao autor, dado o decaimento das partes. Honorários advocatícios. Os honorários advocatícios vão majorados, sendo fixados em 12% do valor da condenação, dada a atuação na fase recursal. RECURSOS PARCIALMENTE PROVIDOS. (Apelação Cível Nº 70076265636, Décima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Catarina Rita Krieger Martins, Julgado em 26/04/2018) (Grifei).

                                                        RECURSO ADESIVO. PROCESSUAL CIVIL. MESMA PEÇA DAS CONTRARRAZÕES. APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL. SUSPENSÃO NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. ITATIBA DO SUL. DEZEMBRO DE 2015. PERÍODO DE INTERRUPÇÃO ALÉM DO RAZOÁVEL. RESPONSABILIDADE OBJETIVA. AUSÊNCIA DE CAUSAS EXCLUDENTES. DEMORA NO RESTABELECIMENTO DO SERVIÇO. DANO MORAL CONFIGURADO. QUANTUM INDENIZATÓRIO. MANUTENÇÃO. Não se conhece do recurso adesivo quando interposto na mesma peça das contrarrazões. Inteligência do artigo 997, § 2º, do CPC. Precedentes. A concessionária de serviço público fornecedora de energia elétrica responde pelos prejuízos causados aos consumidores por defeito na prestação do serviço de forma objetiva, de acordo com o art. 37, § 6º da Constituição Federal. Hipótese dos autos em que houve a interrupção do serviço de energia elétrica por período demasiado, situação de per si suficiente a causar dano moral. A ocorrência de temporal de grandes proporções pode gerar imprevistos que determinam a interrupção do serviço, configurando a força maior. Todavia, superado em muito o tempo ordinariamente previsto pela agência reguladora para o restabelecimento do serviço, não mais justifica o reconhecimento do fenômeno da natureza, passando a falta a ser identificada como falha do serviço, suscetível de gerar dano passível de recomposição. Situação dos autos em que os autores permaneceram nove dias sem fornecimento de energia elétrica em sua unidade consumidora. No caso, o dano é in re ipsa e decorre diretamente do fato, independentemente, portanto, da demonstração, pela vítima, dos prejuízos extrapatrimoniais sofridos. Não comporta minoração o valor da condenação fixado na origem em R$ 4.000,00 (quatro mil reais), uma vez que ausente recurso da parte autora, sendo vedada a reformatio in pejus. JUROS DE MORA. RESPONSABILIDADE CONTRATUAL. DATA DA CITAÇÃO. Os juros moratórios incidem desde a citação, por se tratar de responsabilidade civil contratual. Exegese do art. 405 do CC e do art. 240 do CPC. RECURSO ADESIVO NÃO CONHECIDO. RECURSO DE APELAÇÃO PARCIALMENTE PROVIDO. (Apelação Cível Nº 70076061001, Nona Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Tasso Caubi Soares Delabary, Julgado em 21/03/2018) (Grifei).

                                                        APELAÇÃO CÍVEL. RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇAO INDENIZATÓRIA. AUSENTE EXCLUDENTE DE NEXO CAUSAL. CASO FORTUITO OU CULPA EXCLUSIVA DA VÍTIMA NÃO COMPROVADOS. LIGAÇÃO DE ENERGIA. DEMORA. DANOS MORAIS CARACTERIZADOS. RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA. 1. Na condição de concessionária de serviço público essencial, a ré responde de forma objetiva pelos danos que provocar em face da má prestação do serviço, porquanto incidentes as regras constantes nos arts. 37, § 6º, da CF/88; , da Lei 8.987/95, e 14 e 15 do Código de Defesa do Consumidor. 2. No caso, não restaram comprovadas as excludentes de caso fortuito, força maior ou culpa exclusiva da vítima. A demora na ligação da energia elétrica no imóvel dos autores acima do prazo estipulado pela ANEEL caracterizou defeito na prestação do serviço e a consequente responsabilidade da concessionária ré. 3. Juros moratórios incidentes sobre o valor da condenação a partir da citação, conforme dispõe o art. 405 do Código Civil. APELAÇÃO CÍVEL PROVIDA EM PARTE. (Apelação Cível Nº 70076262070, Nona Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Eugênio Facchini Neto, Julgado em 21/03/2018) (Grifei).

                                                        RESPONSABILIDADE CIVIL. INTERRUPÇÃO NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. DANOS MORAIS. EXCESSO NO PRAZO DE RESTABELECIMENTO. A responsabilidade da distribuidora de energia elétrica não depende da demonstração de culpa. A presença de defeito na prestação do serviço induz à reparação do dano causado ao consumidor. O nexo de causalidade entre o defeito do serviço e o prejuízo deve estar presente. O caso fortuito e força maior podem excluir a responsabilidade do agente, de acordo com o art. 393 do CC. O caso fortuito tem origem nas forças da natureza. A força maior decorre de atos humanos. Não reconhecidos na hipótese em exame. No caso em julgamento, os elementos de prova indicam que o dano teve origem na falha do serviço. Houve demora excessiva e não justificada para o restabelecimento da energia. Dano moral in re ipsa. O valor do dano moral deve ser estabelecido de maneira a compensar a lesão causada em direito da personalidade e com atenção aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade. Quantum mantido. Juros de mora desde a citação. Apelação da ré parcialmente provida. Apelo adesivo não provido. (Apelação Cível Nº 70075736801, Décima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Marcelo Cezar Muller, Julgado em 14/12/2017) (Grifei).

                                                        Impõe-se, assim, o provimento do apelo no ponto, para fixar o termo inicial dos juros de mora na data da citação.

                                                        DISTRIBUIÇÃO DA SUCUMBÊNCIA.

                                                        Postula a demandada, por fim, o redimensionamento da sucumbência fixada na sentença, ressaltando que a parte autora decaiu de parte considerável do seu pedido, pois pleiteou indenização de R$ 10.000,00 (dez mil reais) e, na sentença, a ré foi condenada a pagar apenas R$ 3.000,00 (três mil reais).

                                                        Cumpre consignar que, na presente decisão, o quantum indenizatório está sendo mantido em R$3.000,00 (três mil reais).

                                                        Verifica-se, assim, que não foi alcançada à parte autora a totalidade do valor pleiteado a título de danos extrapatrimonias, merecendo análise o recurso no ponto.

                                                        Entendo, entretanto, que o deferimento de indenização em quantia inferior ao postulado na exordial, a título de danos morais, não induz à sucumbência recíproca, nos termos da Súmula 326 do Superior Tribunal de Justiça, in verbis:

                                                                Súmula 326 STJ. Na ação de indenização por dano moral, a condenação em montante inferior ao postulado na inicial não implica sucumbência recíproca.

                                                                Nesse sentido, colaciono recente julgado da Corte Superior:

                                                                        ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. INTERNAÇÃO E PRISÃO INDEVIDA. QUANTUM INDENIZATÓRIO FIXADO, PELO TRIBUNAL DE ORIGEM, EM VALOR EXCESSIVO E SEM A DEVIDA

                                                                        FUNDAMENTAÇÃO. EXCEPCIONALIDADE CONFIGURADA, NO CASO. REAPRECIAÇÃO DOS ÔNUS SUCUMBENCIAIS, POR ESTA CORTE. IMPOSSIBILIDADE, NA HIPÓTESE, JÁ QUE O PROVIMENTO DO RECURSO, NO STJ, NÃO ALTEROU O GRAU DE SUCUMBÊNCIA DAS PARTES. SÚMULA 326/STJ. AGRAVO INTERNO IMPROVIDO.

                                                                        [...]

                                                                        V. Na forma da jurisprudência, ‘na ação de indenização por dano moral, a sucumbência está ligada ao reconhecimento ou não do pedido. Ela não diz respeito ao quantum arbitrado pelo juízo, conforme se infere do enunciado da Súmula n. 326/STJ’ (STJ, AgRg no REsp 1.522.761/PR, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, TERCEIRA TURMA, DJe de 18/09/2015). Assim, ‘se, no grau recursal, o Tribunal não julgar o recurso de modo a alterar a sucumbência, não lhe é dado reexaminar os honorários advocatícios (...)’ (AgInt nos EDcl no REsp 1.357.561/MG, Rel. Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, TERCEIRA TURMA, DJe de 19/04/2017), como no caso dos autos. VI. Agravo interno improvido. (AgInt nos EDcl no AREsp 909593/RO, SEGUNDA TURMA, Ministra ASSUSETE MAGALHÃES, DJe 26.04.2018) (Grifei).

                                                                        E desta Corte:

                                                                        APELAÇÃO CÍVEL. CONTRATO DE TRANSPORTE AÉREO. EXTRAVIO TEMPORÁRIO DE BAGAGEM. VOO DOMÉSTICO. VALOR DA INDENIZAÇÃO. SUCUMBÊNCIA. MULTA PELO NÃO COMPARECIMENTO DA RÉ À AUDIÊNCIA PRELIMINAR. ARTIGO 334, § 8º, DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. 1. Relativamente à multa, é de ser desacolhido o pedido, pois formulado de forma de todo intempestiva e, ademais, apenas introduzido em razões de apelo. A audiência preliminar foi realizada na data de 10.4.2017, tendo comparecido apenas o autor e sua advogada. Contestada a ação, em réplica, o autor nada referiu, tendo postulado o julgamento antecipado da lide. Destarte, não há falar em aplicação da multa referida no artigo 334, § 8º, do Código de Processo Civil. 2. VALOR DA INDENIZAÇÃO. Quanto ao valor da indenização, nada há por ser modificado na sentença, mesmo que o autor advogue que o aspecto punitivo/pedagógico não se encontra cumprido no caso concreto, dada a insuficiência da sanção pecuniária imposta. Ora, pondere-se que a condenação imposta à ré se mostra mais do que suficiente para reparar o dano alegado e alertar a demandada acerca da sua falha, considerando se tratar de extravio temporário de bagagem, recuperada dois dias depois, além do que se observando, ao que se tem, que o valor indenizatório estabelecido [R$ 4.000,00 (quatro mil reais), corrigidos monetariamente pelo IGP-M a contar da data da sentença e acrescidos de juros de mora desde a citação] representa, dado o que se conhece da prática comercial da demandada, mais do que o quíntuplo do valor eventualmente pago pelo apelante pela passagem (ida e volta). Portanto, é de ser mantida a indenização fixada na origem, lembrando-se que eventuais precedentes jurisprudenciais em sentido inverso não atrelam o colegiado. 3. SUCUMBÊNCIA. No caso concreto, não há como se afastar a aplicação da Súmula n. 326 do Superior Tribunal de Justiça, porquanto, além de não haver qualquer disposição no sentido de que tal Súmula tenha sido superada, a qual, ainda, vem sendo adotada pela Corte Superior, a parte autora sagrou-se vitoriosa com relação ao pleito inicial, apenas não alcançando êxito no valor da reparação por danos morais pretendido; o que não implica sucumbência recíproca das partes, sendo integral da parte vencida (ré), devendo ser alterada, no tópico, a disposição estabelecida na sentença. APELO PARCIALMENTE PROVIDO. (Apelação Cível Nº 70076950617, Décima Segunda Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Ana Lúcia Carvalho Pinto Vieira Rebout, Julgado em 10/05/2018) (Grifei).

                                                                        Destarte, não merece provimento o apelo, no ponto, devendo ser mantidos os ônus sucumbenciais nos moldes em que determinados na sentença.

                                                                        HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. MAJORAÇÃO.

                                                                        Insurge-se a parte autora, por fim, quanto à verba honorária arbitrada no decisum, pugnando por sua majoração.

                                                                        É cediço que, no arbitramento da verba honorária, deve o juiz considerar o grau de zelo do profissional, o lugar da prestação do serviço, a natureza e a importância da causa, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço, nos termos do art. 85, § 2º do CPC.

                                                                        In casu, considerando o tempo de tramitação da demanda e a singeleza da causa, sem desmerecer o trabalho desenvolvido pelo causídico, tenho que deva ser majorada a verba honorária fixada na sentença para 20% sobre o valor da condenação, que se coaduna com as peculiaridades do caso e com os parâmetros estabelecidos no dispositivo legal acima identificado.

                                                                        Por derradeiro, consigno que o entendimento ora esposado não implica ofensa a quaisquer dispositivos, de ordem constitucional ou infraconstitucional, inclusive àqueles invocados pelas partes em suas manifestações no curso do processo.

                                                                        Diante do exposto, VOTO é no sentido de DAR PARCIAL PROVIMENTO À APELAÇÃO DO AUTOR, ao efeito de majorar a verba honorária para 20% sobre o valor da condenação, e DAR PARCIAL PROVIMENTO À APELAÇÃO DA RÉ, para alterar o marco inicial dos juros moratórios para a data da citação, mantidos os demais comandos sentenciais.



                                                                        Des. Marcelo Cezar Müller - De acordo com o (a) Relator (a).

                                                                        Des. Jorge Alberto Schreiner Pestana (PRESIDENTE) - De acordo com o (a) Relator (a).

                                                                        DES. JORGE ALBERTO SCHREINER PESTANA - Presidente - Apelação Cível nº 70080332935, Comarca de Erechim: "DERAM PARCIAL PROVIMENTO ÀS APELAÇÕES. UNÂNIME."

                                                                        Julgador (a) de 1º Grau: ALEXANDRE KOTLINSKY RENNER

                                                                        1 MARQUES, Cláudia Lima. Comentários ao Código de Defesa do Consumidor. 3ª ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2010, p. 107/108.

                                                                        2 Código brasileiro de defesa do consumidor: comentado pelos autores do anteprojeto. Ada Pellegrini Grinover [et. al.]. 9 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2007, p. 204.

                                                                        3 CAVALIERI FILHO, Sergio. Programa de Responsabilidade Civil. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2009, p. 65-66.

Disponível em: https://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/699350106/apelacao-civel-ac-70080332935-rs/inteiro-teor-699350109