jusbrasil.com.br
18 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70080605207 RS - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-RS_AC_70080605207_c9589.doc
DOWNLOAD

PODER JUDICIÁRIO

---------- RS ----------

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA






KEOS

Nº 70080605207 (Nº CNJ: 0032429-49.2019.8.21.7000)

2019/Cível

          apelação cível. direito privado não especificado. AÇÃO DE CANCELAMENTO DE REGISTRO.

          Inscrição negativa. comunicação prévia. ILEGITIMIDADE PASSIVA reconhecida no caso, pois a inscrição negativa foi divulgada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de rio grande não vinculada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Curitiba, conveniada com a CNDL (SPC), cuidando-se de arquivistas distintos. SENTENÇA MODIFICADA. EXTINÇÃO DA AÇÃO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO.

          UNÂNIME. APELO PROVIDO E RECURSO ADESIVO PREJUDICAO, COM DECLARAÇÃO DE VOTO DO DES. ANTÔNIO MARIA RODRIGUES DE FREITAS ISERHARD.

          Apelação Cível Décima Primeira Câmara Cível
          Nº 70080605207 (Nº CNJ: 0032429-49.2019.8.21.7000) Comarca de Rio Grande
          CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE CURITIBA - PR APELANTE
          MARIA EUGENIA DA ROSA AMARAL APELADO

          ACÓRDÃO


          Vistos, relatados e discutidos os autos.

          Acordam os Desembargadores integrantes da Décima Primeira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, prover o apelo, restando prejudicado o recurso adesivo, com declaração de voto do Des. Antônio Maria Rodrigues de Freitas Iserhard.

          Custas na forma da lei.

          Participaram do julgamento, além da signatária, os eminentes Senhores Des. Bayard Ney de Freitas Barcellos (Presidente) e Des. Antônio Maria Rodrigues de Freitas Iserhard.

          Porto Alegre, 20 de março de 2019.

          DES.ª KATIA ELENISE OLIVEIRA DA SILVA,

          Relatora.

          RELATÓRIO

          Des.ª Katia Elenise Oliveira da Silva (RELATORA)

          Trata-se de recurso de apelação interposto por CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE CURITIBA - PR contra a sentença que, nos autos da ação de cancelamento de registro ajuizada por MARIA EUGENIA DA ROSA AMARAL, cujo relatório e dispositivo passo a transcrever:

                  MARIA EUGÊNIA DA ROSA AMARAL ajuizou a presente ação em face da CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE CURITIBA - PR, objetivando provimento jurisdicional que declare irregular o aponte referente ao contrato nº 1014913081, datado de 02/07/2012, no valor de R$ 249,45 (duzentos e quarenta e nove reais e quarenta e cinco centavos). Ainda requereu a antecipação dos efeitos da tutela, a concessão do benefício da Assistência Judiciária Gratuita e a inversão do ônus da prova.

                  Sustentou que foi surpreendida por um aponte referente ao contrato nº 1014913081, datado de 02/07/2012, no valor de R$ 249,45 (duzentos e quarenta e nove reais e quarenta e cinco centavos). Teceu comentários acerca da necessidade de notificação prévia. Fundamentou o pedido de antecipação dos efeitos da tutela. Juntou documentos às fls. 04/08.

                  Às fls. 09/11, foi deferido o pedido de antecipação dos efeitos da tutela e concedido o benefício da AJG, bem como determinou-se a citação da ré.

                  Citada, a ré apresentou contestação às fls. 21/32, alegando, preliminarmente, a ocorrência de conexão e a ilegitimidade passiva. No mérito, aduziu que somente pode responder pela ausência de comunicação o banco de dados ou a entidade cadastral que promoveu a negativação solicitada pelo credor, no caso o SCPC operado pelo CDL Rio Grande. Requereu a revogação da decisão que antecipou os efeitos da tutela, a extinção do processo sem julgamento de mérito ou a improcedência do pedido. Juntaram documentos às fls. 33/39.

                  Foram solicitadas informações acerca do feito nº 023/1.14.0001487-0 para apurar a existência de conexão (fl. 40), sendo respondido o ofício às fls. 44/46.

                  Às fls. 54/57, restou afastada a conexão.

                  Réplica à fl. 60.

                  Intimadas as partes acerca da produção de outras provas (fl. 61), a autora quedou-se inerte (fl. 62, verso), enquanto que a ré manifestou não ter interesse (fls. 63/64).

                  Vieram os autos conclusos para sentença.

                  [...]

                  Diante do exposto, rejeito a preliminar e, forte no artigo 487, inciso I, do Código de Processo Civil, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO formulado por MARIA EUGÊNIA DA ROSA AMARAL em face de CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE CURITIBA - PR para DECLARAR irregular o aponte referente ao contrato nº 1014913081, datado de 02/07/2012, no valor de R$ 249,45 (duzentos e quarenta e nove reais e quarenta e cinco centavos), determinando a exclusão definitiva da anotação.

                  Condeno a ré ao recolhimento das custas e despesas processuais, bem como ao pagamento dos honorários advocatícios ao patrono da autora, os quais, considerando o baixo grau de complexidade da causa, fixo em R$ 700,00 (setecentos reais), nos termos do artigo 85, § 8º, do Código de Processo Civil.

                  Publique-se. Registre-se. Intimem-se.




                  A ré sustenta a sua ilegitimidade para responder a demanda, pois comprovou nos autos que não foi a entidade arquivista que forneceu o registro, não tendo como trazer aos autos a prova da comunicação. Ressalta ainda que a credora que realizou o apontamento nem mesmo é associado à requerida. Explica que acessando o site da CDL Rio Grande, opera o SCPC da empresa Boa Vista, sem comunicação ou convênio com o SPC sendo banco de dados totalmente distintos. Em face do exposto, pugna pelo provimento do apelo.

                  A autora no recurso adesivo postula majoração de honorários. Com contrarrazões, vieram os autos para o Tribunal. É o relatório.

                  VOTOS

                  Des.ª Katia Elenise Oliveira da Silva (RELATORA)

                  Assiste razão à ré.

                  Entendo que seja o caso de reforma da sentença de procedência da ação, em razão do reconhecimento da ilegitimidade passiva da ré.

                  A comunicação prevista no art. 43, § 2º, do CDC, é de responsabilidade do arquivista, devendo ser observada a Súmula 359, do STJ:

                        Súmula 359. Cabe ao órgão mantenedor do Cadastro de Proteção ao Crédito a notificação do devedor antes de proceder à inscrição.

                        Todavia, no caso concreto, embora no extrato à fl. 08 conste a seguinte informação: REGISTROS NA REDE INTEGRADA POR BANCO DE DADOS CONVENIADOS: CURITIBA-PR COMPRADOR ...