jusbrasil.com.br
26 de Maio de 2020
2º Grau

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70079905139 RS - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

image1.png

APD

Nº 70079905139 (Nº CNJ: 0355725-61.2018.8.21.7000)

2018/Cível

APELAÇÕES CÍVEIS. CONTRATOS DE CARTÃO DE CRÉDITO. AÇÃO REVISIONAL.

REPETIÇÃO DO INDÉBITO. INTERESSE RECURSAL.

Deixa-se de conhecer do ponto relativo à repetição do indébito porque, ao que se verifica, a sentença recorrida encontra-se em consonância com o pleito dos autores e, por conseguinte, inexiste o interesse recursal.

CAPITALIZAÇÃO DE JUROS.

De acordo com o atual entendimento do Superior Tribunal de Justiça, a incidência da capitalização nos contratos de mútuo, em qualquer periodicidade, somente é admitida quando pactuada de forma expressa. REsp Repetitivo nº 1.388.972/SC.

Inexistindo previsão expressa, incabível a incidência do encargo em qualquer periodicidade.

SERVIÇOS NÃO CONTRATADOS. SEGUROS E CAPITALIZAÇÃO.

1. Competia ao banco apelante comprovar minimante a contratação dos serviços cobrados dos apelados, fato impeditivo, modificativo ou extintivo constitutivo do direito dos autores, nos termos do art. 373, inc. II, do CPC/15, ônus do qual não se desincumbiu.

2. Caso dos autos em que a ré sequer juntou os termos de adesão dos contratos avençados pelas partes, referentes aos seguros e capitalização cobrados na fatura do cartão de crédito, sendo inviável exigir que os consumidores produzam prova negativa nesse sentido, devendo ser mantida a decisão a quo que reconheceu o descabimento das cobranças.

DANO MORAL.

Na ausência de comprovação da ocorrência de efetivos danos ao direito personalíssimo dos contratantes, inocorrente o dever de indenizar.

REPETIÇÃO DO INDÉBITO.

Na forma simples ou pela correspondente compensação é admitida, ainda que ausente prova de erro no pagamento.

APELO DOS AUTORES CONHECIDO EM PARTE E NEGADO PROVIMENTO, APELO DO RÉU PARCIALMENTE PROVIDO.

Apelação Cível

Vigésima Terceira Câmara Cível

Nº 70079905139 (Nº CNJ: 0355725-61.2018.8.21.7000)

Comarca de Veranópolis

BANCO SANTANDER BRASIL S.A.

APELANTE/RECORRIDO ADESIVO

IVANOR CHIOMENTO

RECORRENTE ADESIVO/APELADO

KAREN APPIO CHIOMENTO

RECORRENTE ADESIVO/APELADO

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.

Acordam os Desembargadores integrantes da Vigésima Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, em conhecer parcialmente o apelo dos autores e, nesta extensão, negar-lhe provimento, bem como dar parcial provimento ao apelo da parte ré.

Custas na forma da lei.

Participaram do julgamento, além da signatária, os eminentes Senhores Des. Alberto Delgado Neto (Presidente) e Des. Clademir José Ceolin Missaggia.

Porto Alegre, 11 de dezembro de 2018.

DES.ª ANA PAULA DALBOSCO,

Relatora.

RELATÓRIO

Des.ª Ana Paula Dalbosco (RELATORA)

BANCO SANTANDER BRASIL S.A., IVANOR CHIOMENTO e KAREN APPIO CHIOMENTO interpõem recurso de apelação e adesivo, respectivamente, em face da sentença que julgou parcialmente procedente a ação revisional em que contendem, nos seguintes termos:

Isso posto, JULGO parcialmente procedentes os pedidos formulados por IVANOR CHIOMENTO e KAREN APPIO CHIOMENTO em face de BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., para o fim de (a) declarar indevida a capitalização dos juros, vez que não comprovada a contratação; (b) determinar o cancelamento dos serviços discutidos nos autos, declarando a inexigibilidade das respectivas cobranças; (c) condenar a parte requerida à restituição, em dobro, dos valores cobrados a título de capitalização e pelos serviços não contratados e comprovadamente pagos nos autos, incidindo sobre a restituição juros de mora de 1% ao mês a partir da citação e correção monetária pelo IGP-M a contar da data do desembolso, podendo o valor total ser compensado com eventual débito pendente em nome da parte autora; e (d) condenar o requerido ao pagamento, em favor do autor, de indenização por danos morais no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais), a ser corrigido pelo IGP-M a partir desta data e com juros de mora de 1% ao mês, a contar da citação.

Considerando a sucumbência recíproca, na razão de 30% pelos autores e 70% pelo requerido, condeno os autores a pagar 30% das custas processuais e honorários advocatícios ao procurador da parte requerida, que fixo em 6% sobre o valor da causa, atualizado pelo IGP-M a contar do ajuizamento (art. 85, do NCPC), dada a natureza da ação, o trabalho realizado pelo advogado e o tempo exigido para o seu serviço. Condeno a parte ré, por sua vez, a pagar o restante das custas processuais (70%) e honorários ao procurador da parte autora, que arbitro em 14% do valor da causa, observados os mesmos critérios e por proporcionalidade, vedada a compensação, nos termos do que dispõe o parágrafo 14 do art. 85 do NCPC, e suspensa a exigibilidade quanto aos demandantes, por litigarem sob a benesse da gratuidade de justiça (fl. 53).

A instituição financeira, em suas razões, sustenta a possibilidade de capitalização de juros, assim como a cobrança dos demais serviços contratados. Requer ainda o afastamento do dano moral aplicado ou, alternativamente, sua redução. Por fim, postula a repetição do indébito na forma simples e o provimento do recurso.

Já os consumidores demandantes, por sua vez, insurgem-se pretendendo a majoração da indenização por danos extrapatrimoniais, a repetição do indébito, bem como a redistribuição dos ônus sucumbenciais para que a ré arque integralmente com as custas e honorários advocatícios, considerando o decaimento mínimo na lide.

Pugnam pelo provimento.

Apresentadas contrarrazões pela demandada, vieram os autos conclusos para julgamento.

É o relatório.

VOTOS

Des.ª Ana Paula Dalbosco (RELATORA)

ADMISSIBILIDADE DO RECURSO

Os pressupostos de admissibilidade foram atendidos em sua maior parte. Os recursos são próprios, há interesse e legitimidade das partes para recorrer. Aliado a isso, foram apresentados tempestivamente e devidamente preparado pelo réu, já que aos autores foi concedida a AJG. Não há, por outro lado, nenhum fato extintivo ou modificativo do direito de recorrer.

Deixa-se, entretanto, de conhecer do ponto relativo à repetição do indébito no recurso dos autores porque, ao que se verifica, a sentença recorrida encontra-se em consonância com o pleito dos recorrentes e, por conseguinte, inexiste o interesse recursal.

Assim, vai conhecido em parte o recurso das partes autoras, razão pela qual passo à análise das demais insurgências recursais de ambos.

CONTEXTUALIZAÇÃO

Trata-se a presente demanda de ação revisional do contrato de cartão de crédito nº 5201.XXXX.XXXX.3192, na qual a sentença declarou ilegal a capitalização de juros, por não estar expressa no contrato, determinou cancelamento de serviços, bem como a inexigibilidade de suas cobranças, condenou a parte requerida a indenização por dano moral e repetição do indébito em dobro.

A instituição financeira ré, em recurso de apelação, insurge-se, defendendo a cobrança dos encargos nos moldes supostamente pactuados, requer o afastamento do dano moral aplicado ou, alternativamente, sua redução, e, por fim, a repetição do indébito na forma simples.

As partes autoras, por sua vez, pretendem a majoração da indenização por danos extrapatrimoniais, bem como a redistribuição dos ônus sucumbenciais para que a ré arque integralmente com as custas e honorários advocatícios, considerando o decaimento mínimo na lide.

Dito isso, passo ao exame das insurgências recursais das partes em conjuntamente.

CAPITALIZAÇÃO DE JUROS

Os contratos bancários são típicos contratos de consumo, e, portanto, na interpretação das cláusulas deve ser observado o disposto no art. 46 do CDC, que veda a incidência de normas implícitas e de difícil compreensão:

Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance.

No tópico, até recentemente, adotava-se o entendimento do STJ no seguinte sentido: “a previsão no contrato bancário de taxa de juros anual superior ao duodécuplo da mensal é suficiente para permitir a cobrança da taxa efetiva anual contratada” (REsp 973827/RS ).

Assim, a incidência da capitalização dos juros nos contratos bancários era permitida quando a) pactuada de forma expressa ou; b) quando comprovado que a taxa de juros anual fosse superior ao duodécuplo da taxa mensal.

No entanto, em recente julgamento, o Superior Tribunal de Justiça referendou entendimento no sentido de que a incidência da capitalização dos juros em contrato de mútuo depende de pactuação expressa, afastando a possibilidade de presunção.

Nestes termos, colaciono a ementa do Recurso Especial n. 1.388.972/SC, julgado sob a sistemática dos recursos repetitivos:

RECURSO ESPECIAL REPRESENTATIVO DE CONTROVÉRSIA – ARTIGO 1036 E SEGUINTES DO CPC/2015 – AÇÃO REVISIONAL DE CONTRATOS BANCÁRIOS – PROCEDÊNCIA DA DEMANDA ANTE A ABUSIVIDADE DE COBRANCA DE ENCARGOS – INSURGÊNCIA DA CASA BANCÁRIA VOLTADA À PRETENSÃO DE COBRANÇA DA CAPITALIZAÇÃO DE JUROS.

1. Para fins dos arts. 1036 e seguintes do CPC/2015.

1.1 A cobrança de juros capitalizados nos contratos de mútuo é permitida quando houver expressa pactuação.

(...)

2.5 Recurso especial parcialmente provido apenas para afastar a multa imposta pelo Tribunal a quo (Número Registro: 2013/0176026-2 PROCESSO ELETRÔNICO REsp 1.388.972/SC Números de origem: 20110851504 43601962012824000 PAUTA: 08/02/2017 JULGADO: 08/02/2017, Relator Exm. Sr. Ministro Marco Buzzi)

Assim, consoante o atual entendimento, tem-se que a incidência da capitalização dos juros não pode ser presumida, descabendo, portanto, reputar como válida a cobrança do citado encargo, apenas por constatar a existência de diferença entre as taxas de juros mensal e anual.

Dentro deste norte, transcrevo trechos do acórdão supra referido:

(...) a capitalização, seja em periodicidade anual ou ainda com incidência inferior à ânua – cuja necessidade de pactuação, aliás, é firme na jurisprudência desta Casa -, não pode ser cobrada sem que tenham as partes contratantes, de forma prévia e tomando por base os princípios basilares dos contratos em geral, assim acordado, pois a ninguém será dado negar o caráter essencial da vontade como elemento do negócio jurídico, ainda que nos contratos de adesão, uma vez que a ciência prévia dos encargos estipulados decorre da aplicação dos princípios afetos ao dirigismo contratual (...)

(...) Assim, tendo em vista que nos contratos bancários é aplicável o Código de Defesa do Consumidor (súmula 297/STJ), a incidência da capitalização de juros, em qualquer periodicidade - na hipótese, a anual - não é automática, devendo ser expressamente pactuada, visto que, ante o princípio da boa-fé contratual e a hipossuficiência do consumidor, esse não pode ser cobrado por encargo sequer previsto contratualmente (...)

Desse modo, primando pela proteção ao consumidor, não se admite que a simples demonstração da existência de taxas anual e mensal distintas possa ser traduzida como contratação implícita aos fins de autorizar a incidência de capitalização de juros.

No presente caso, então, diante da ausência de pactuação expressa do referido encargo (fls. 78-85), a verdade é que resta inviável a sua cobrança, em qualquer periodicidade.

SERVIÇOS CONTRATADOS

Os consumidores demandantes alegaram ainda que não fizeram a contratação de serviços referentes a seguros (“cartão proteg” e “ace”), bem como da capitalização denominada “dim dim”, todos vinculados ao cartão de crédito que possuem junto à apelante.

Referem que ao buscar informações sobre tais cobranças junto a instituição financeira ré foram informados que os seguros e a capitalização fazem parte da aquisição do cartão de crédito, mas que as exigências de pagamento das taxas seriam suspensas imediatamente, o que não ocorreu.

A instituição financeira ré, ao seu turno, defende a cobrança das referidas rubricas, insurgindo-se contra a decisão a quo no ponto.

Pois bem.

Com efeito, é por demais sabido que o Código de Defesa do Consumidor previu como direito básico do consumidor, em seu art. , inc. VIII, a facilitação da defesa de seus direitos em juízo, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências .

Todavia, importa ressaltar que a inversão do ônus da prova prevista no Diploma Consumerista não instituiu nova “distribuição estática” do ônus probatório, agora sempre em desfavor do fornecedor – o que sequer “distribuição” seria –, possuindo, ao contrário, natureza relativa.

Nesse sentido há elucidativo precedente do Superior Tribunal de Justiça:

PROCESSUAL CIVIL. RESPONSABILIDADE CIVIL. CÓDIGO DO CONSUMIDOR. ÔNUS DA PROVA. INEXISTÊNCIA DE PROVAS DOS FATOS ALEGADOS NA PETIÇÃO INICIAL. DECISÕES ANTERIORES FUNDADAS NAS PROVAS ACOSTADAS AOS AUTOS. IMPOSSIBILIDADE DE REEXAME. SÚMULA 7/STJ. NÃO COMPROVAÇÃO DOS ALEGADOS DANOS MATERIAIS E MORAIS SOFRIDOS.

- Ao autor, incumbe a prova dos atos constitutivos de seu direito.

- Em que pese a indiscutível aplicação da inversão do ônus da prova ao CDC, tal instituto não possui aplicação absoluta. A inversão deve ser aplicada “quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências”.

- Entenderam as instâncias ordinárias, após análise das provas dos autos, que o recorrente não comprovou as falhas na prestação dos serviços contratados. Necessidade de revolvimento de todo o conjunto fático-probatório. Óbice da Súmula 7 do STJ.

- O recorrente não provou a ocorrência de vícios no serviço que pudessem lhe conferir direito a uma indenização por danos materiais ou morais. Recurso especial não conhecido.

(REsp 741.393/PR, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 05/08/2008, DJe 22/08/2008)

Do mesmo modo vem se posicionando essa Corte:

CARTÃO DE CRÉDITO. AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO E INDÉBITO E INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL EM RAZÃO DA MANUTENÇÃO DE CADASTRAMENTO EM ÓRGÃOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO. PAGAMENTO REALIZADO EM VALOR INFERIOR AO DEVIDO. ALEGADA CONCESSÃO DE DESCONTO NÃO EVIDENCIADA. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA. Ainda que se trate de relação de consumo, a inversão do ônus probatório em face da hipossuficiência da parte autora não é absoluta, eis que juris tantum, sendo necessário que o postulante acoste provas que demonstrem ou agreguem o mínimo de verossimilhança aos fatos argüidos, o que inocorre no caso concreto. INSCRIÇÃO EM ÓRGÃOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO. DANO MORAL. Prova documental evidenciando que a parte autora realizou pagamento em valor inferior ao devido. Concessão de desconto não evidenciada Débito que gerou a inscrição em órgãos restritivos de crédito legítimo, porquanto decorrente do inadimplemento de saldo de fatura do cartão de crédito. Fato que resultante do exercício legal de um direito pela apelada. Sendo legítima a inscrição, não se cogita de dano moral passível de reparação financeira. Sentença mantida. APELO DESPROVIDO. (Apelação Cível Nº 70062953500, Vigésima Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jorge Alberto Vescia Corssac, Julgado em 25/03/2015)

APELAÇÃO CÍVEL. CONTRATOS DE CARTÃO DE CRÉDITO. AÇÃO DECLARATÓRIA CUMULADA COM INDENIZAÇÃO DE DANOS MORAIS. A responsabilidade das instituições financeiras é objetiva, encontrando fundamento na Teoria do Risco do Empreendimento (art. 14, § 3º, da Lei n. 8.078/90 - CDC). Incumbe ao autor o ônus processual de provar fato constitutivo do seu direito (art. 333, I, do CPC), ainda que se trate de relação de consumo. A inversão do ônus da prova prevista no Código de Defesa do Consumidor não é absoluta. Inexistindo falha na prestação de serviços, a instituição financeira pode efetuar a cobrança e o registro do nome em órgãos restritivos de crédito. APELAÇÃO DESPROVIDA. (Apelação Cível Nº 70053436648, Vigésima Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Marco Antonio Angelo, Julgado em 26/06/2013)

A partir de uma leitura contemporânea acerca da Teoria da Prova, cujo estudo conduz para uma distribuição dinâmica do ônus probatório, “a prova incumbe a quem tem melhores condições de produzi-la, à luz das circunstâncias do caso concreto” . Nas palavras de Fredie Didier,

de acordo com essa teoria: i) o encargo não deve ser repartido prévia e abstratamente, mas, sim, casuisticamente; ii) sua distribuição não pode ser estática e inflexível, mas, sim, dinâmica; iii) pouco importa, na sua subdivisão, a posição assumida pela parte na causa (se autor ou réu); iv) não é relevante a natureza do fato probando – se constitutivo, modificativo, impeditivo ou extintivo do direito – ou o interesse em prová-lo, mas, sim, quem tem mais possibilidade de fazer a prova.

Justamente por isso é que, no presente caso, competia a demandada comprovar minimante a contratação dos serviços cobrados dos apelados – juntando os termos de adesão avençados, por exemplo –, fato impeditivo, modificativo ou extintivo constitutivo do direito dos autores, nos termos do art. 373, inc. II, do CPC/15, ônus do qual não se desincumbiu, ressaltando-se a inviabilidade de exigir dos recorridos que produzam prova negativa nesse sentido.

Essa foi, igualmente, a percepção da sentença recorrida:

As faturas juntadas aos autos demonstram a cobrança dos serviços que os autores alegam não terem contratado (seguro cartão proteg; dim dim capitalização; seguro ace).

Cabia à parte requerida, portanto, provar os fatos modificativos, extintivos ou impeditivos dos direitos postulados pela parte autora, assim como comprovar sua versão dos fatos (art. 373, incisos I e II, CPC), ônus do qual não se desincumbiu.

A requerida não trouxe nenhum documento capaz de comprovar a contratação dos serviços em questão ou elemento que indicasse tal contratação.

Inexiste nos autos prova capaz de demonstrar qualquer expressão volitiva positiva da parte autora no intuito de contratar ou aceitar a proposta de serviço a ela oferecido.

Mostra-se indevida, portanto, a cobrança dos valores, inclusive aqueles referentes à anuidade do segundo cartão, vez que o requerido também não se desincumbiu do ônus de comprovar a previsão desta cobrança.

Destarte, a decisão a quo merece ser mantida no ponto.

DANO MORAL

Em que pese a cobrança de juros capitalizados no período de normalidade, tidos por abusivos, bem como de serviços não contratados pelos autores, nenhuma comprovação acerca dos abalos alegados, tanto materiais como extrapatrimoniais, acostaram aos autos os apelados. Somente meras alegações é o que dos autos consta.

Não se olvidam dos dissabores, aborrecimentos e contratempos sofridos pelas partes, mas que, certamente, incapazes de ensejar indenização. Insuficientes para configurar o dano moral, abalo à dignidade, à honra ou ao bom nome, como pretendido.

Seguem precedentes desta Corte:

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO REVISIONAL, CUMULADA COM DANO MORAL. CONTRATO DE CHEQUE ESPECIAL. INOVAÇÃO RECURSAL. Apelo não conhecido quanto ao pedido de afastamento de valores a título de seguro, pois na inicial inexiste pedido nesse sentido, tratando-se, portanto, de evidente inovação recursal. APLICAÇÃO DO CDC. Segundo inteligência da Súmula 297 do STJ, o Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras. NULIDADE E/OU INVALIDADE DO CONTRATO. A cobrança de encargos eventualmente reconhecidos como abusivos por si só não enseja o reconhecimento da nulidade e/ou invalidade do contrato em discussão, porquanto firmado por pessoas capazes, com objeto lícito e respeitadas as formalidades legais. Inexistência de prova de vício de vontade a ensejar o acolhimento de referida alegação. JUROS REMUNERATÓRIOS. A Segunda Seção do STJ, no julgamento do REsp nº 1.061.530/RS, submetido ao regime dos recursos repetitivos, firmou entendimento de que as instituições financeiras não se sujeitam à limitação dos juros remuneratórios ao patamar de 12% ao ano ou à Taxa Selic, sendo admitida a revisão deste encargo apenas em situações excepcionais, em que caracterizada a abusividade da taxa pactuada. No caso em exame, os juros remuneratórios fixados no contrato revisando estão abaixo da taxa média de juros apurada pelo BACEN, pelo que não há falar em abusividade a justificar a limitação desse encargo. COMPENSAÇÃO E/OU REPETIÇÃO DO INDÉBITO. Segundo entendimento pacífico no colendo STJ, que culminou com a edição da Súmula n. 322, é cabível a compensação e/ou repetição simples do indébito, independentemente da prova do erro. Assim, tendo sido reconhecida a abusividade em alguns encargos contratados, é admitida a compensação e/ou repetição simples dos valores pagos a maior. DANO MORAL. A eventual cobrança indevida por serviço não contratado, por si só, não caracteriza o dano moral puro, configurando mero dissabor do cotidiano e da vida em sociedade. Em hipóteses tais, mister a comprovação de situação capaz de abalar o psicológico do consumidor, circunstância não demonstrada nos autos. APELAÇÃO CONHECIDA EM PARTE E DESPROVIDA. UNÂNIME. (Apelação Cível Nº 70071457220, Vigésima Terceira Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Martin Schulze, Julgado em 29/11/2016)

APELAÇÃO CÍVEL. ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. REVISÃO DE CONTRATO. DA APLICAÇÃO DO CDC E DOS CONTRATOS DE ADESÃO. Relação consumerista configurada. Presença de consumidor e fornecedor; arts. 2º e 3º da Lei 8009/90. Súmula 297, STJ. Lei protetiva aplicável ao caso concreto. JUROS REMUNERATÓRIOS. Limitação dos juros ao percentual da taxa média do mercado, quando forem abusivos, tal como publicado pelo BACEN em seu site. Posição do STJ consubstanciada no acórdão paradigma - RESP 1.061.530/RS. Inexistência de abusividade no caso concreto. CAPITALIZAÇÃO DE JUROS. A incidência da capitalização de juros é permitida, mas desde que conste sua pactuação de forma expressa no instrumento contratual, nos termos do Resp nº 973.827-RS, de relatoria da Min. Maria Isabel Gallotti. Como este é o caso dos autos, a capitalização é mantida. COMISSÃO DE PERMANÊNCIA. Estando contratualmente prevista, a comissão de permanência deve ser aplicada para o período de inadimplência, de forma não cumulada com juros moratórios, multa ou correção monetária, em conformidade com as Súmulas 30, 294, 296 e 472 e do REsp paradigma nº 1.063.343-RS do STJ. CET - Custo Efetivo Total. Corresponde a todos os encargos e despesas incidentes nas operações de crédito e de arrendamento mercantil financeiro, contratadas ou ofertadas a pessoas físicas, microempresas ou empresas de pequeno porte. Portanto, não sendo uma tarifa, resta prejudicado o pedido do autor para que seja excluído, eis que sempre deve constar a sua informação no contrato. TARIFAS ADMINISTRATIVAS. Segundo o entendimento firmado no REsp nº 1.251.331-RS, a revisão de tarifas bancárias deve ser certa e determinada, tendo em vista a diferenciação ocorrente nos fatos geradores das inúmeras tarifas bancárias vigentes. Ausente discriminação de quais as tarifas bancárias pretende a revisão, o apelo do consumidor não deve ser conhecido, nesta parte. IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES FINANCEIRAS. Sua cobrança pode ser realizada em forma diluída nas parcelas mensais, não configurando abusividade por ser forma mais favorável de pagamento pelo consumidor. Resp. nº 1.251.331-RS, julgado pela sistemática do art. 543-C do CPC/73. COMPENSAÇÃO DE VALORES E REPETIÇÃO DO INDÉBITO. A fim de evitar o enriquecimento ilícito de uma das partes, a compensação de valores e a repetição do indébito são devidas, respeitando o disposto nos artigos 369 e 876, ambos do CC. A restituição deve ocorrer de forma simples, e como consequência lógica do julgado. DA MORA E DA TUTELA ANTECIPADA. Ausente a abusividade nos encargos previstos para a normalidade contratual, a tutela antecipada deve ser revogada. DANO MORAL. A compreensão do dano moral se apresenta consubstanciada numa dolorosa sensação experimentada pela pessoa, não estando presente num mero dissabor ou transtorno. APELO PARCIALMENTE CONHECIDO, E NESTA PARCIALMENTE PROVIDO. (Apelação Cível Nº 70070041348, Décima Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS 25/08/2016)

Oportuno citar que o dano moral, com fundamento constitucional, decorre do abalo à dignidade, da violação aos atributos da personalidade, o que não se verifica no caso.

Destarte, ausente ato ilícito, nexo causal e dano imputáveis à parte demandada, não há cogitar no dever sucessivo de indenizar.

Por consequência do afastamento da condenação por dano moral, resta prejudicado o apelo dos consumidores no tocante a majoração do quantum indenizatório para este fim.

REPETIÇÃO DO INDÉBITO/COMPENSAÇÃO DE VALORES

Tendo-se como em parte abusivas as cláusulas contratuais revisadas, possível a ocorrência de pagamento de valores a maior por parte do demandante.

A compensação desses valores pagos a mais e o montante do débito persistente é decorrência natural da revisão, sendo que a repetição deve-se dar na forma simples, por ausente dolo ou má-fé na atitude do credor e para evitar o enriquecimento ilícito por parte do devedor.

Dessa forma, no caso de ser apurado eventual excesso, poderá ser compensado com o restante da dívida, ou, se a obrigação restar quitada, a sua devolução, de forma simples, “salvo prova da má-fé do credor, que não se presume” (AgInt nos EDcl no REsp 1534561/PR, Rel. Ministra Nancy Andrighi, Terceira Turma, julgado em 27/04/2017, DJe 12/05/2017).

Assim sendo, no ponto, vai provido o recurso do réu, pois a decisão combatida prevê a repetição do indébito em dobro.

Diante do exposto, voto no sentido de CONHECER PARCIALMENTE do apelo das partes autoras e, nesta extensão, NEGAR-LHE PROVIMENTO, bem como DAR PARCIAL PROVIMENTO ao apelo da ré, nos termos e fundamentos supra.

Considerando a modificação do julgamento, devem as partes autoras arcar com 40% e a parte ré com 60% das custas processuais. Em relação aos honorários advocatícios, vão fixados em R$ 1.800,00 em favor do patrono dos demandantes e R$ 1.200,00 em favor do procurador da parte ré, atentando ao trabalho desenvolvido pelos causídicos e a complexidade da causa, já observadas, nesta estipulação as regras contidas no artigo 85, §§ 2º e 11, do CPC/15 .

Contudo, fica suspensa a exigibilidade em relação às partes autoras, em razão da concessão do benefício da gratuidade judiciária (fl. 53).

Des. Clademir José Ceolin Missaggia - De acordo com o (a) Relator (a).

Des. Alberto Delgado Neto (PRESIDENTE) - De acordo com o (a) Relator (a).

DES. ALBERTO DELGADO NETO - Presidente - Apelação Cível nº 70079905139, Comarca de Veranópolis: "CONHECERAM PARCIALMENTE DO APELO DOS AUTORES E NEGARAM-LHE PROVIMENTO, DERAM PARCIAL PROVIMENTO AO APELO DA RÉ. UNÂNIME."

Julgador (a) de 1º Grau: ANTONIO LUIZ PEREIRA ROSA

� “CIVIL E PROCESSUAL. RECURSO ESPECIAL REPETITIVO. AÇÕES REVISIONAL E DE BUSCA E APREENSÃO CONVERTIDA EM DEPÓSITO. CONTRATO DE FINANCIAMENTO COM GARANTIA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. CAPITALIZAÇÃO DE JUROS. JUROS COMPOSTOS. DECRETO 22.626/1933 MEDIDA PROVISÓRIA 2.170-36/2001. COMISSÃO DE PERMANÊNCIA. MORA. CARACTERIZAÇÃO.

(...);

3. Teses para os efeitos do art. 543-C do CPC: - "É permitida a capitalização de juros com periodicidade inferior a um ano em contratos celebrados após 31.3.2000, data da publicação da Medida Provisória n. 1.963-17/2000 (em vigor como MP 2.170-36/2001), desde que expressamente pactuada."-"A capitalização dos juros em periodicidade inferior à anual deve vir pactuada de forma expressa e clara. A previsão no contrato bancário de taxa de juros anual superior ao duodécuplo da mensal é suficiente para permitir a cobrança da taxa efetiva anual contratada".

(...).

(REsp 973827/RS, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, Rel. p/ Acórdão Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 08/08/2012, DJe 24/09/2012)”

� Art. 6º São direitos básicos do consumidor: (...) VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências.

� DIDIER JUNIOR, Fredie; BRAGA, Paula Sarno; OLIVEIRA, Rafael. Curso de direito processual civil: teoria da prova, direito probatório, teoria do precedente, decisão judicial, coisa julgada e antecipação dos efeitos da tutela. 9. ed. Salvador: JusPodivm, 2014. v.2., p. 93.

� Ibidem, fl. 94.

� � Art. 85. A sentença condenará o vencido a pagar honorários ao advogado do vencedor.

§ 2o Os honorários serão fixados entre o mínimo de dez e o máximo de vinte por cento sobre o valor da condenação, do proveito econômico obtido ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa, atendidos:

§ 11. O tribunal, ao julgar recurso, majorará os honorários fixados anteriormente levando em conta o trabalho adicional realizado em grau recursal, observando, conforme o caso, o disposto nos §§ 2o a 6o, sendo vedado ao tribunal, no cômputo geral da fixação de honorários devidos ao advogado do vencedor, ultrapassar os respectivos limites estabelecidos nos §§ 2o e 3o para a fase de conhecimento

Disponível em: https://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/664651489/apelacao-civel-ac-70079905139-rs/inteiro-teor-664651508