jusbrasil.com.br
21 de Março de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Recurso Cível : 71007670219 RS - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-RS__71007670219_0503d.doc
DOWNLOAD

@ (PROCESSO ELETRÔNICO)

CAT

Nº 71007670219 (Nº CNJ: 0025260-59.2018.8.21.9000)

2018/Cível

RECURSO INOMINADO. AÇÃO DE COBRANÇA. HONORÁRIOS MÉDICOS. PARTO. OPÇÃO NA CHEGADA AO HOSPITAL POR ACOMODAÇÕES PRIVATIVAS COM AUMENTO DAS DESPESAS. AUSÊNCIA DE COBERTURA DO PLANO DE SAÚDE. DIFERENÇA NOS HONORÁRIOS MÉDICOS. DEVER DE PAGAMENTO. SENTENÇA MANTIDA. RECURSO DESPROVIDO.

Recurso Inominado

Terceira Turma Recursal Cível

Nº 71007670219 (Nº CNJ: 0025260-59.2018.8.21.9000)

Comarca de Lajeado

MARIANA DOSSENA MUNDSTOCK

RECORRENTE

CRISTIAN DOSSENA MUNDSTOCK

RECORRENTE

FERNANDO JOSE SARTORI BERTOGLIO

RECORRIDO

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.

Acordam os Juízes de Direito integrantes da Terceira Turma Recursal Cível dos Juizados Especiais Cíveis do Estado do Rio Grande do Sul, à unanimidade, em NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO.

Participaram do julgamento, além do signatário, os eminentes Senhores Dr. Luis Francisco Franco (Presidente) e Dr. Fábio Vieira Heerdt.

Porto Alegre, 28 de junho de 2018.

DR. CLEBER AUGUSTO TONIAL,

Relator.

RELATÓRIO

Trata-se de ação de cobrança, em que o autor alega ter realizado o parto da filha dos réus, mas não recebeu os seus honorários médicos.

Contestado e instruído o feito, sobreveio sentença de procedência, a fim de condenar os réus ao pagamento do valor de R$4.000,00.

Recorreram os réus, pugnando pela reforma da decisão.

Com contrarrazões, vieram os autos conclusos.

VOTOS

Dr. Cleber Augusto Tonial (RELATOR)

Suscitada preliminar no recurso dos réus, observa-se que não é o caso de extinção da ação somente porque não houve contratação formalizada entre as partes. A ausência desse documento não impede a análise do mérito, não se enquadrando o pedido no artigo 485, IV, do CPC.

O autor atuou como médico obstetra, por ocasião do nascimento do filho dos recorrentes, em 16/01/2017. O parto ocorreu pelo plano de saúde da Unimed POÁ. Ocorre que os autores optaram à época por acomodações com padrão superior ao previsto no contrato de assistência médica, o que implicou no aumento do valor dos honorários médicos, gerando um saldo não coberto. Por isso, o autor cobra em Juízo o valor de R$4.000,00.

Incontroverso nos autos que o plano de saúde dos réus previa internação para quarto semi-privativo. Ao optarem por acomodações mais caras no hospital, como é o caso de quarto privativo, devem suportar os custos, que não se limitam às diárias e despesas do h...