jusbrasil.com.br
25 de Março de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Agravo de Instrumento : AI 70076435833 RS - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

TJ-RS_AI_70076435833_4191c.doc
DOWNLOAD

@ (PROCESSO ELETRÔNICO)

MCM

Nº 70076435833 (Nº CNJ: 0008795-58.2018.8.21.7000)

2018/Cível

AGRAVO DE INSTRUMENTO. SERVIDOR PÚBLICO. MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO. CONSELHEIROS TUTELARES. NECESSIDADE DE OBSERVÂNCIA DO COMANDO EXARADO NO ARTIGO 134 DO ECA, CONFORME ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.696/2012. OBRIGATORIEDADE DE EDIÇÃO DE LEI MUNICIPAL. DILAÇÃO DO PRAZO CONFERIDO PELO PODER JUDICIÁRIO QUE SE MOSTRA POSSÍVEL. REDUÇÃO DA MULTA DIÁRIA PARA EVITAR ENRIQUECIMENTO ILEGAL.

DERAM PARCIAL PROVIMENTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO.

Agravo de Instrumento

Terceira Câmara Cível

Nº 70076435833 (Nº CNJ: 0008795-58.2018.8.21.7000)

Comarca de Passo Fundo

MUNICIPIO DE PASSO FUNDO

AGRAVANTE

MINISTÉRIO PÚBLICO

AGRAVADO

ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos.

Acordam os Magistrados integrantes da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado, à unanimidade, em dar parcial provimento ao agravo de instrumento.

Custas na forma da lei.

Participaram do julgamento, além da signatária, os eminentes Senhores Des. Leonel Pires Ohlweiler e Dr. Jerson Moacir Gubert.

Porto Alegre, 17 de maio de 2018.

DES.ª MATILDE CHABAR MAIA,

Relatora.

RELATÓRIO

Des.ª Matilde Chabar Maia (RELATORA)

Trata-se de agravo de instrumento interposto pelo MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO contra decisão interlocutória que, nos autos da Ação Civil Pública ajuizada pelo MINISTÉRIO PÚBLICO, concedeu a tutela provisória de evidência, nos termos do artigo 311, inciso IV c/c artigo 497, ambos do NCPC, para determinar que o demandado “encaminhe ao Poder Legislativo Municipal, no prazo de quinze dias, para apreciação em regime de urgência por aquele órgão, projeto de lei para alterar a Lei Municipal que disciplina o Conselho Tutelar, para nela incluir as disposições do artigo 134, I, III e IV do ECA; bem como para que, no mesmo prazo, encaminhe projeto de lei ao Legislativo Municipal criando crédito adicional suplementar ou especial para implementação já no exercício financeiro de 2018, para arcar com as despesas relativas às alterações promovidas pela primeira reforma legislativa determinada”. Na oportunidade ainda foi fixada multa diária de 15 salários mínimos para o caso de descumprimento da medida (fls. 24-26).

Em razões, sustenta, prefacialmente, a impossibilidade de deferimento de medida liminar em face da Fazenda Pública, que esgote no todo ou em parte o objeto da ação principal, conforme prevê o artigo 1º da Lei nº 9.494/97 e artigo , § 3º, da Lei nº 8.437/92.

No mérito, refere a existência de lei federal regulamentando a cobertura previdenciária e licenças para os Conselheiros Tutelares (Lei nº 8.213/91, Decreto nº 3.048/99).

Lembra que o regramento do Conselho Tutelar é estabelecido no ECA (Lei nº 8.069/90), que impõe aos municípios a obrigação de instituir um órgão permanente e autônomo, com a função de zelar pelo cumprimento dos direitos da criança e do adolescente.

Giza que o Conselheiro Tutelar não possui vínculo empregatício com a Administração Pública Municipal, porquanto no exercício de mandato eletivo.

Discorre acerca da competência da União Federal para legislar sobre matéria previdenciária, não havendo motivos que justifiquem a determinação objeto de insurgência.

Menciona que efetua o recolhimento da contribuição previdenciária dos conselheiros tutelares para o Regime Geral, não havendo necessidade de criação de crédito adicional para arcar com as despesas decorrentes dos benefícios requeridos.

Consigna a necessidade de modificação da multa fixada para o caso de descumprimento da medida antecipatória, porquanto arbitrada sem a observância do princípio da razoabilidade.

Verbera a impossibilidade de dar cumprimento à medida, pelo que requer o aumento do prazo para três meses, caso seja mantida a decisão objurgada.

Requer seja agregado efeito suspensivo ao presente recurso, prevendo-se no todo, ao final.

O recurso foi recebido no efeito suspensivo (fls. 80-82).

O Ministério Público ofertou contrarrazões (fls. 91-104), pugnando pela manutenção do decisum.

Na sequência sobreveio parecer das fls. 114-118, da lavra do Procurador de Justiça, Dr. Eduardo Roth Dalcin, pelo parcial provimento do agravo de instrumento.

Vieram os autos conclusos para julgamento.

É o relatório.

VOTOS

Des.ª Matilde Chabar Maia (RELATORA)

Eminentes Colegas.

Inicialmente, tenho que não merece guarida a alegação do Município no sentido de aplicação da vedação ao deferimento de medida liminar em face da Fazenda Pública, por força do que dispõem os artigos , da Lei nº 9.494/97 e 1º, § 3º, da Lei nº 8.437/92 . Isso porque, é fato inconteste que a tutela de evidência aqui deferida possui o fim precípuo de dar cumprimento à lei federal (nº 12.696/2012), hipótese que não se encontra inserida nas vedações constantes da legislação citada pela Municipalidade.

Destaco, outrossim, que o pleito deduzido pelo Ministério Público é efetivamente preponderante, uma vez que objetiva regularizar direitos conferidos aos Conselheiros Tutelares, os quais são responsáveis por dar cumprimento ao Estatuto da Criança e do Adolescente.

Prosseguindo, do cotejo dos autos verifica-se que o Ministério Público ajuizou Ação Civil Pública em face do Município de Passo Fundo objetivando compelir o ente público a elaborar e encaminhar ao Poder Legislativo Municipal projeto de lei para que assegure, no âmbito local, os direitos e garantias previstos no ECA, a partir das alterações trazidas pela Lei nº 12.696/2012.

O juízo singular, de sua vez, deferiu o pedido de tutela provisória.

Inconformado, o Município interpôs o presente agravo de instrumento.

Feito o breve retrospecto, tenho que a insurgência merece parcial acolhimento.

Ve-se que a Lei nº 12.696/2012 alterou os artigos 132, 134, 135 e 139 do ECA, para dispor sobre os Conselheiros Tutelares, vejamos:

Art. 132. Em cada Município e em cada Região Administrativa do Distrito Federal haverá, no mínimo, 1 (um) Conselho Tutelar como órgão integrante da administração pública local, composto de 5 (cinco) membros, escolhidos pela população local para mandato de 4 (quatro) anos, permitida 1 (uma) recondução, mediante novo processo de escolha.” (NR)

Art. 134. Lei municipal ou distrital disporá sobre o local, dia e horário de funcionamento do Conselho Tutelar, inclusive quanto à remuneração dos respectivos membros, aos quais é assegurado o direito a:

I - cobertura previdenciária;

II - gozo de férias anuais remuneradas, acrescidas de 1/3 (um terço) do valor da remuneração mensal;

III - licença-maternidade;

IV - licença-paternidade;

V - gratificação natalina.

Parágrafo único. Constará da lei orçamentária municipal e da do Distrito Federal previsão dos recursos necessários ao funcionamento do Conselho Tutelar e à remuneração e formação continuada dos conselheiros tutelares.” (NR)

Art. 135. O exercício efetivo da fun...