jusbrasil.com.br
15 de Junho de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70074869207 RS

Detalhes da Jurisprudência
Processo
AC 70074869207 RS
Órgão Julgador
Décima Câmara Cível
Publicação
Diário da Justiça do dia 05/12/2017
Julgamento
30 de Novembro de 2017
Relator
Túlio de Oliveira Martins
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-RS_AC_70074869207_093ac.doc
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

RESPONSABILIDADE CIVIL. DISPARO DE ALARME ANTIFURTO. AUSÊNCIA DE PROVA DE CONDUTA ABUSIVA DOS FUNCIONÁRIOS DO ESTABELECIMENTO COMERCIAL. DANO MORAL NÃO CONFIGURADO. MERO ABORRECIMENTO.

A autora, cliente do estabelecimento, foi abordada pela funcionária da loja em razão do soar do alarme antifurto. Referido alarme disparou porque a operadora de caixa não retirou a etiqueta eletromagnética do produto adquirido. O disparo de alarme sonoro antifurto, por si só, não acarreta dano moral. Ainda, o conjunto probatório demonstra a discreta abordagem realizada pela funcionária da ré. Inexistência de constrangimento que ultrapasse o mero dissabor. Hipótese na qual a apelante não comprovou os fatos constitutivos de seu direito, articulados na inicial, a teor do que estabelece o art. 373, I, do CPC, ônus que lhe cabia e do qual não se desincumbiu. APELAÇÃO DESPROVIDA. (Apelação Cível Nº 70074869207, Décima Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Túlio de Oliveira Martins, Julgado em 30/11/2017).
Disponível em: https://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/528418413/apelacao-civel-ac-70074869207-rs