jusbrasil.com.br
17 de Novembro de 2017
    Adicione tópicos

    Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70046664033 RS

    APELAÇÃO CÍVEL. CONCURSO PÚBLICO. MUNICÍPIO DE ITAARA. MAGISTÉRIO. EDITAL Nº 001/2008. ÚNICA VAGA, PREENCHIA PELO CANDIDATO APROVADO EM PRIMEIRO LUGAR. CANDIDATA APROVAA EM SEGUNDO LUGAR. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. PRETERIÇÃO INEXISTENTE.

    Processo
    AC 70046664033 RS
    Orgão Julgador
    Quarta Câmara Cível
    Publicação
    Diário da Justiça do dia 01/04/2014
    Julgamento
    19 de Março de 2014
    Relator
    Eduardo Uhlein

    Ementa

    APELAÇÃO CÍVEL. CONCURSO PÚBLICO. MUNICÍPIO DE ITAARA. MAGISTÉRIO. EDITAL Nº 001/2008. ÚNICA VAGA, PREENCHIA PELO CANDIDATO APROVADO EM PRIMEIRO LUGAR. CANDIDATA APROVAA EM SEGUNDO LUGAR. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. PRETERIÇÃO INEXISTENTE.

    1. O edital do concurso para provimento de vagas do quadro geral dos servidores da Prefeitura Municipal previa, para provimento do cargo de Professor Ensino Fundamental - Séries Finais - Português-Inglês, uma única vaga, que restou provida pelo candidato aprovado em primeiro lugar.

    2. A apelante alcançou a segunda colocação e não logrou demonstrar a existência de uma segunda vaga para o mesmo cargo, durante o prazo de validade do concurso.

    3. A contratação temporária da autora, que foi objeto de específica lei municipal, teve prazo certo, e motivação absolutamente determinada: a existência de temporário afastamento de uma outra professora do Município de Itaara, cedida por permuta com outra vinda do Município de Santa Maria, para currículo por atividades, e que assumiria o papel de coordenadora pedagógica na Secretaria Municipal, tudo conforme exposto na mensagem de encaminhamento do Projeto de Lei respectivo - e que por tudo merece credibilidade, ainda mais que bem anterior ao ajuizamento da presente ação (e à contratação temporária da ora apelante).

    4. A moderna jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça tem, nessas questões de nomeação de candidato supostamente preterido pela Administração, sinalado revelar-se fundamental não apenas demonstrar a contratação temporária de servidores em número maior do que a colocação do candidato requerente, mas também imprescindível prova de que havia cargos vagos em número suficiente para a nomeação da requerente.

    5. Ação julgada improcedente na origem. APELAÇÃO DESPROVIDA, POR MAIORIA. (Apelação Cível Nº 70046664033, Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Eduardo Uhlein, Julgado em 19/03/2014)

    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.