jusbrasil.com.br
15 de Outubro de 2018
    Adicione tópicos

    Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70046664033 RS

    APELAÇÃO CÍVEL. CONCURSO PÚBLICO. MUNICÍPIO DE ITAARA. MAGISTÉRIO. EDITAL Nº 001/2008. ÚNICA VAGA, PREENCHIA PELO CANDIDATO APROVADO EM PRIMEIRO LUGAR. CANDIDATA APROVAA EM SEGUNDO LUGAR. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. PRETERIÇÃO INEXISTENTE.

    Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

    Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

    Processo
    AC 70046664033 RS
    Orgão Julgador
    Quarta Câmara Cível
    Publicação
    Diário da Justiça do dia 01/04/2014
    Julgamento
    19 de Março de 2014
    Relator
    Eduardo Uhlein

    Ementa

    APELAÇÃO CÍVEL. CONCURSO PÚBLICO. MUNICÍPIO DE ITAARA. MAGISTÉRIO. EDITAL Nº 001/2008. ÚNICA VAGA, PREENCHIA PELO CANDIDATO APROVADO EM PRIMEIRO LUGAR. CANDIDATA APROVAA EM SEGUNDO LUGAR. CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA. PRETERIÇÃO INEXISTENTE.

    1. O edital do concurso para provimento de vagas do quadro geral dos servidores da Prefeitura Municipal previa, para provimento do cargo de Professor Ensino Fundamental - Séries Finais - Português-Inglês, uma única vaga, que restou provida pelo candidato aprovado em primeiro lugar.

    2. A apelante alcançou a segunda colocação e não logrou demonstrar a existência de uma segunda vaga para o mesmo cargo, durante o prazo de validade do concurso.

    3. A contratação temporária da autora, que foi objeto de específica lei municipal, teve prazo certo, e motivação absolutamente determinada: a existência de temporário afastamento de uma outra professora do Município de Itaara, cedida por permuta com outra vinda do Município de Santa Maria, para currículo por atividades, e que assumiria o papel de coordenadora pedagógica na Secretaria Municipal, tudo conforme exposto na mensagem de encaminhamento do Projeto de Lei respectivo - e que por tudo merece credibilidade, ainda mais que bem anterior ao ajuizamento da presente ação (e à contratação temporária da ora apelante).

    4. A moderna jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça tem, nessas questões de nomeação de candidato supostamente preterido pela Administração, sinalado revelar-se fundamental não apenas demonstrar a contratação temporária de servidores em número maior do que a colocação do candidato requerente, mas também imprescindível prova de que havia cargos vagos em número suficiente para a nomeação da requerente.

    5. Ação julgada improcedente na origem. APELAÇÃO DESPROVIDA, POR MAIORIA. (Apelação Cível Nº 70046664033, Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Eduardo Uhlein, Julgado em 19/03/2014)