jusbrasil.com.br
24 de Agosto de 2019
2º Grau

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70057879413 RS - Inteiro Teor

Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor


Themis2g

PODER JUDICIÁRIO

---------- RS ----------

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA






MIAS

Nº 70057879413 (Nº CNJ: 0512568-30.2013.8.21.7000)

2013/Cível

          INFRAÇÃO DE TRÂNSITO. SUSPENSÃO DO DIREITO DE DIRIGIR. INOVAÇÃO INDEVIDA NA LIDE.

          Não é de se conhecer do recurso de apelação que veicula causa de pedir não deduzida na petição inicial por se tratar de inovação indevida na lide.

          Recurso não conhecido.

Apelação Cível Vigésima Segunda Câmara Cível
Nº 70057879413

(Nº CNJ: 0512568-30.2013.8.21.7000)

Comarca de Veranópolis
JOSIMAR BATAGLION APELANTE
DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL APELADO

DECISÃO MONOCRÁTICA


1. Trata-se de recurso de apelação interposto por JOSIMAR BATAGLION contra a sentença que julgou improcedente a ação que move contra o DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO - DETRAN para anular o processo administrativo de suspensão do direito de dirigir n.º 001.317.34-2, instaurado com base no auto de infração de trânsito série BM02064087, lavrado em 13 de dezembro de 2008, pela prática da infração prevista no artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro (dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência), condenando-o ao pagamento das custas processuais e de honorários advocatícios fixados em R$ 1.000,00, suspensa a exigibilidade em razão do benefício da gratuidade de justiça concedido. Inquina de nula a penalidade aplicada, porquanto foi notificado da autuação depois de transcorrido o prazo de trinta dias previsto no artigo 281, inciso II, do Código de Trânsito Brasileiro. Alega que (I) não foi notificado da imposição da penalidade e (II) não restou demonstrado que o aparelho que aferiu a sua embriaguez estava devidamente calibrado. Apresentadas as contrarrazões, foram os autos remetidos a este Tribunal. É o relatório.

2. O Apelante, na petição inicial, afirmou que (I) não praticou a infração de trânsito que lhe foi imputada e (II) a autoridade policial “apenas chegou no local da suposta infração (dentro pátio posto gasolina) e notificou o autor porque o mesmo se negou a retirar o veículo do local” (fl. 04). Inquinou de nulo o processo de suspensão do direito de dirigir porque o auto de infração de trânsito “foi baseado em termo testemunhal produzido pelos próprios policiais” (fl. 04). Afirmou que o referido termo testemunhal “gera dúvidas e incertezas, pois não traz nenhuma aferição ou aparelho para certificar a suposta alcoolemia” (fl. 04).

No recurso de apelação, todavia, inquina de nula a penalidade aplicada, porquanto foi notificado da autuação depois de transcorrido o prazo de trinta dias previsto no artigo 281, inciso II, do Código de Trânsito Brasileiro. Alega, ainda, que...