jusbrasil.com.br
25 de Setembro de 2017
    Adicione tópicos

    Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível : AC 70055821805 RS - Inteiro Teor

    Inteiro Teor


    Themis2g

    PODER JUDICIÁRIO

    ---------- RS ----------

    ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

    PODER JUDICIÁRIO

    TRIBUNAL DE JUSTIÇA






    AMS

    Nº 70055821805 (Nº CNJ: 0306807-02.2013.8.21.7000)

    2013/Cível

            apelação CÍVEL. servidor público estadual. REAJUSTES da lei ESTADUAL nº 10.395/95 SOBRE A PARCELA AUTÔNOMA DO MAGISTÉRIO.

            TERMO FINAL DA CONDENAÇÃO – LEI Nº 13.733/11

            A Lei 13.733, de 1º de junho de 2011, dispõe sobre o pagamento administrativo dos reajustes previstos nos incisos I a V do art. 8º da Lei 10.395/95 sobre a parcela autônoma, a partir de maio de 2011.

            Dessa forma, impõe-se a limitação da condenação até a implantação administrativa decorrente desta lei, com compensação de eventuais pagamentos administrativos já realizados.

            ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA

            Os valores a serem devolvidos devem ser corrigidos monetariamente pelo IGP-M, por ser o indexador mais adequado para aferição da desvalorização monetária, que não contém componente de remuneração financeira em sua fórmula, sendo amplamente adotado pela jurisprudência, incidindo desde a data do inadimplemento de cada parcela.

            INCONSTITUCIONALIDADE DA CORREÇÃO PELA POUPANÇA

            O Supremo Tribunal Federal declarou a inconstitucionalidade da expressão “índice oficial de remuneração básica da caderneta de poupança” constante do § 12º do art. 100, da Constituição Federal com a redação que lhe fora conferido pela Emenda Constitucional nº 62/2009 na sessão do Plenário de 07-03-2013 e, por conseqüência, declarando a inconstitucionalidade, em parte, por arrastamento, do art. 1º-F da Lei nº 9.494/97 na redação que conferida por a Lei nº 11.960/2009, que prevê atualização monetária e compensação por a mora segundo os índices de remuneração da caderneta de poupança.

            Depreende-se que a inconstitucionalidade alcança apenas o indexador a ser utilizado para a correção dos débitos da Fazenda Pública, pois declarada a inconstitucionalidade do “índice oficial de remuneração básica da caderneta de poupança”.

            JUROS DE MORA

            Os juros de mora, a partir de 30.06.2009, incidem consoante os juros que remuneram a caderneta de poupança, na medida em que a inconstitucionalidade foi parcial e abrangeu apenas o índice de remuneração das cadernetas de poupança.

            Nos casos em que a citação é anterior a Lei 11.960/2009, os juros de mora são de 6% ao ano, desde a citação, sendo que a partir de 30.06.2009, consoante os juros que remuneram a caderneta de poupança.

            TERMO INICIAL DOS JUROS DE MORA

            Nas ações em que há condenação da Fazenda Pública no pagamento de verbas de natureza remuneratória a servidores públicos ativo, inativos e pensionistas os juros de mora incidem a partir da constituição do devedor em mora, o que se dá com a citação, nos termos do art. 219 do CPC e art. 404 do CC.

            HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS

            A ação versa sobre incidência dos reajustes da Lei nº 10.395/95 sobre a Parcela Autônoma, sendo os honorários advocatícios de 5% sobre as parcelas vencidas até o ajuizamento da demanda e o mesmo percentual sobre as parcelas vincendas até a implantação administrativa do reajuste, via Lei nº 13.733/11, respeitado o limite máximo de uma anualidade.

            NECESSIDADE DO REEXAME:

            O Egrégio Superior Tribunal de Justiça afirma a necessidade de reexame necessário nas sentenças ilíquidas, caso dos autos, independentemente do valor atribuído à causa, explicitando que os pressupostos normativos para a dispensa do reexame são aferidos, não pelos elementos da demanda (petição inicial ou valor da causa) e sim pelos que decorrem da sentença que a julga.

            APELAÇÃO PROVIDA EM PARTE.

            SENTENÇA CONFIRMADA QUANTO AO MAIS EM REEXAME NECESSÁRIO.

    Apelação Cível Vigésima Quinta Câmara Cível
    Nº 70055821805 (Nº CNJ: 0306807-02.2013.8.21.7000) Comarca de Soledade
    ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL APELANTE
    NIZETTE RIBAS DEVITTE APELADO

    DECISÃO MONOCRÁTICA

    Vistos.

    ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL interpõe recurso de apelação em face do NIZETTE RIBAS DEVITTE, contrário à decisão que julgou procedente o pedido, nos termos do dispositivo:

            Pelo exposto, JULGO PROCEDENTE a pretensão formulada por Nizette Ribas Devitte na ação de cobrança que move em face do Estado do Rio Grande do Sul para o efeito de, reconhecendo o direito da parte autora à implementação dos índices postulados sobre a parcela autônoma, em relação aos seus dois vínculos (fls. 16 e 22), CONDENAR o requerido ao pagamento à parte autora dos valores correspondentes aos reajustes declinados, ressalvados os descontos legais, a prescrição quinquenal e eventuais pagamentos havidos a tal título, a serem aferidos em liquidação de sentença, nos termos da fundamentação. As diferenças deverão ser corrigidas pelo IGP-M desde cada vencimento, e acrescidos de juros de mora de 6% ao ano, a contar da citação, até o seu efetivo pagamento, e, a partir de 30.06.2009, com incidência dos índices oficiais de remuneração básica e juros de mora aplicáveis à caderneta de poupança, nos termos da nova redação do art. 1º-F, da Lei nº 9.494/97.

            Em face da sucumbência, condeno o Estado ao pagamento de honorários advocatícios em favor dos procuradores da parte autora fixados em 5% do valor da condenação até o ajuizamento da ação, ressalvada a prescrição quinquenal, e o mesmo percentual sobre uma anuidade das vincendas, de acordo com iterativa orientação jurisprudencial do E. TJRS. Descabe, contudo, a condenação do Estado em custas, considerando que se trata de cartório estatizado “e o disposto no art. 11, parágrafo único, da Lei Estadual nº 8.121/85, em sua redação original, com a vigência revigorada após o decidido no Incidente de Inconstitucionalidade nº 70041334053 (v. g., AC nº 70050038546, 21ª CC, TJRS, Relator Armínio José Abreu Lima da Rosa, 17/10/2012; AC e RN nº 70050696798, 1ª CC, TJRS, Relator Luiz Felipe Silveira Difini, 17/10/2012)”, conforme Apelação Cível Nº 70051296606, Oitava Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Ricardo Moreira Lins Pastl, Julgado em 06/12/2012.

            Deixo de submeter a sentença ao reexame necessário, pois a condenação, embora ilíquida, à evidência, não supera 60 (sessenta) salários mínimos, ante o disposto no artigo 475, § 2º, do CPC. Neste sentido: “APELAÇÃO CÍVEL. SERVIDOR PÚBLICO.(...) HIPÓTESE QUE NÃO COMPORTA REEXAME NECESSÁRIO, ANTE OS VALORES ENVOLVIDOS NA DEMANDA, QUE VISIVELMENTE NÃO EXCEDEM A 60 SALÁRIOS MÍNIMOS. À UNANIMIDADE, NÃO CONHECERAM DO REEXAME NECESSÁRIO E, POR MAIORIA, NEGARAM PROVIMENTO AO RECURSO DE APELAÇÃO. (Apelação e Reexame Necessário Nº 70044945319, Quarta Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Agathe Elsa Schmidt da Silva, Julgado em 04/07/2012).

    As razões de apelação postulam pela delimitação da condenação nos termos da Lei 13.733/2011; a fixaçao da correção monetária e juros de mora na forma da Lei 11.960/2009, aplicando-se a TR e juros a partir da citação; a limitação dos honorários advocatícios na forma da Lei 13.733/2011; e encaminhados os autos em reexame necessário.

    O recurso de apelação foi recebido (fl. 43).

    A parte apelada informou o desinteresse em contra-arrazoar (fl. 45).

    O Ministério Público opina pelo parcial provimento do recurso de apelação (fls. 49-50).

    Os autos vieram-me conclusos.

    É o relatório

    DECIDO

    Presentes os requisitos de admissibilidade, adequação, tempestividade e sucumbência, estando a parte recorrente dispensada do preparo, nos termos do § 1º do art. 511 do Código de Processo Civil.

    Da Limitação da Condenação

    A Lei 13.733, de 1º de junho de 2011, dispõe sobre o pagamento administrativo dos reajustes previstos nos incisos I a V do art. 8º da Lei 10.395/95 sobre a parcela autônoma, a partir de maio de 2011.

    Dessa forma, impõe-se a limitação da condenação até a implantação administrativa decorrente desta lei, com compensação de eventuais pagamentos administrativos já realizados.

    Da correção monetária e juros de mora:

    Os valores a serem devolvidos devem ser corrigidos monetariamente pelo IGP-M, por ser o indexador mais adequado para aferição da desvalorização monetária, que não contém componente de remuneração financeira em sua fórmula, sendo amplamente adotado pela jurisprudência, incidindo desde a data do inadimplemento de cada parcela.

    Nas ações em que há condenação da Fazenda Pública no pagamento de verbas de natureza remuneratória a servidores públicos ativo, inativos e pensionistas os juros de mora incidem a partir da constituição do devedor em mora, o que se dá com a citação, nos termos do art. 219 do CPC e art. 404 do CC.

    O percentual dos juros de mora era de 6% ao ano, consoante o disposto no art. 1º-F da Lei nº 9.494/97, vez que a demanda foi ajuizada após o advento da Medida Provisória nº 2.180-35, de 24 de agosto de 2001, verbis:

          Art. 1º-F. Os juros de mora, nas condenações impostas à Fazenda Pública para pagamento de verbas remuneratórias devidas a servidores e empregados públicos, não poderão ultrapassar o percentual de seis por cento ao ano.

    A matéria atinente a correção e juros foi modificada com a edição da Lei nº 11.960, em 30/06/2009, que alterou redação do art. 1º-F da Lei nº 9.494/97 passando a dispor que nas condenações impostas à Fazenda Pública, independentemente da sua natureza e para fins de atualização monetária, remuneração do capital e compensação de mora, haverá a incidência, uma única vez, até o efetivo pagamento, dos índices oficiais de remuneração básica e juros aplicados à caderneta de poupança.

    O Egrégio Supremo Tribunal Federal julgou parcialmente procedente as Ações Diretas de Inconstitucionalidade – ADIS 4557 e 4425, declarando a inconstitucionalidade parcial dos parágrafos 2º, , 10º e 12º do artigo 100 da Constituição, com a redação conferida pela Emenda Constitucional nº 62/2009.

    No § 12 foi declarada inconstitucional a expressão que estabelece o índice da cadernet...





    Veja essa decisão na íntegra
    É gratuito. Basta se cadastrar.